Dois projetos tramitam no Senado norte-americano para acelerar a concessão de visto para brasileiros e chineses.

Motivado pelo aumento dos gastos de turistas destas nacionalidades nos EUA - segundo o Departamento de Comércio, o turismo movimentou US$ 134 bilhões no país em 2010 -, o Senado quer acelerar a entrega de vistos pelo aumento das equipes nos consulados, criação de taxa de urgência e até possível isenção do documento para brasileiros.  

No Brasil, por exemplo, o número de funcionários nos consulados que realizam as entrevistas para solicitação de visto vai aumentar de 49 para 100 em 2012.

O projeto conta, ainda, com apoio da Câmara do Comércio, Federação de Varejistas e Associação de Viagens dos EUA, além da Confederação Nacional das Indústrias do Brasil.

A Associação de Viagens dos EUA, entretanto, vai mais longe: a entidade já divulgou que acha as atuais medidas insuficientes, e requer a extinção do visto para turistas brasileiros.

O plano, segundo divulgado pela Associação, é levar o assunto à pauta da reunião entre os presidentes Barack Obama e Dilma Rousseff em março, quando a gestora brasileira visitará Washington.

A passos largos
Por hora, a simplificação da concessão de visto americano para brasileiros já anda bem: no ano fiscal encerrado em outubro, foram concedidos 44% mais vistos para turistas do país do que em 2010, totalizando 820 mil permissões.

Já para a China, foram 1 milhão de vistos, crescimento de 33% ano/ano.

Até 2013, a meta é duplicar esses totais.

Para garantir o alcance da meta, testes nos consulados já estão em curso.

Esta semana, quem agendava entrevista em São Paulo e Recife teria de esperar 69 dias (no Rio e em Brasília, menos de uma semana).

Na alta temporada, no primeiro semestre, a espera supera 140 dias.

Os projetos de lei
Nos EUA, uma das principais focadas no visto para turistas é a Lei Visite os EUA (Visit US Act), que também propõe vistos de residência automáticos para estrangeiros que gastem US$ 500 mil em imóveis no país, informa a Folha Online.

Neste plano, além de brasileiros e chineses, também estão inclusos indianos.

A lei também prevê a adoção de entrevistas por videoconferência e a criação de postos móveis para concessão dos vistos, o que encurtaria o tempo de espera.

Está prevista, ainda, a criação de uma taxa de prioridade para quem tiver pressa em conquistar a permissão para visitar ou morar nos EUA.

O valor estimado para a taxa ainda não foi divulgado.