No quarto trimestre de 2010, o faturamento bruto consolidado da Gerdau alcançou R$ 8,7 bilhões e as vendas físicas chegaram a 4,5 milhões de toneladas. O lucro líquido atingiu R$ 420 milhões no período – queda de 35% em relação ao ganho apurado no mesmo período de 2009.

No ano, o faturamento bruto foi de R$ 35,7 bilhões. A empresa encerrou 2010 com crescimento de 18% sobre 2009.

“Os sinais de mercado neste 1º trimestre de 2011 são positivos, com recuperação de margens, superando as nossas expectativas iniciais. Seguiremos investindo na ampliação da oferta de produtos de aços”, afirma o CEO da Gerdau, André Gerdau Johannpeter.

De acordo com o balanço da empresa, apresentado nessa sexta-feira, 03, o lucro líquido passou de R$ 1 bilhão, em 2009, para R$ 2,5 bilhões no ano em análise.

As vendas físicas cresceram 24% frente o ano anterior, alcançando 17,4 milhões de toneladas. Ao longo do exercício, o volume de vendas de todas as operações teve crescimento.

No Brasil, foram 6,6 milhões de toneladas, com 4,7 milhões destinados ao mercado interno, onde a Gerdau registrou 29% de aumento nos volumes vendidos frente ao ano anterior

No acumulado do ano, a operação no Canadá e nos Estados Unidos (exceto usinas produtoras de aços especiais), apresentou 16% de acréscimo nas vendas físicas com 5,7 milhões de toneladas.

Já as unidades nos demais países da América Latina (exceto Brasil) somaram 2,2 milhões de toneladas comercializadas, um incremento de 10% sobre o ano anterior, cujos destaques foram os mercados da Argentina e México.

R$ 10,8 bilhões até 2015
No acumulado de 2010, os investimentos em ativo imobilizado totalizaram R$ 1,3 bilhão, sendo que 72% foram destinados para as unidades no Brasil e 28% para as plantas localizadas nos demais países.

Para o período de 2011 a 2015, a Gerdau irá investir R$ 10,8 bilhões em suas operações. Do total de investimentos, cerca de 75% será destinado ao Brasil e 25% às operações nos demais países.

Com mais de 40 mil colaboradores, a Gerdau tem presença industrial em 14 países, com operações nas Américas, na Europa e na Ásia, as quais somam uma capacidade instalada superior a 25 milhões de toneladas de aço.