A CeBIT 2011 só encerra no sábado, 05, em Hannover, mas já tem gaúcho comemorando os resultados da participação no evento.

Alexandre Costa, diretor de Operações da Perseus, é um deles.

“Oportunidades bem concretas de negócios já estão em andamento com prospects da Itália, Espanha e Portugal”, afirma o executivo da companhia sediada em Canoas e especializada em sistemas de gestão para escolas e universidades.

Costa revela, ainda, que a participação na feira incrementa os planos de expansão da companhia para 2011.

“A partir de Hannover, prevemos até mesmo poder superar a meta de 30% de crescimento no faturamento inicialmente prevista para este ano”, ressalta Costa.

Além dos países já citados, o executivo cita contatos já firmados com empresas de mercados latino-americanos como Paraguai, Uruguai, Argentina e México.

“O setor em que atuamos cresceu, no Brasil, cerca de 500% nos últimos cinco anos”, afirma. “Por isso não temos capacidade de atender à demanda e estamos procurando parcerias que possam complementar e fortalecer nossa oferta de produtos”, completa.

Mais gente feliz
Além da Perseus, outra gaúcha que já sente efeitos positivos da ida à Alemanha é a Delta Easy, de Porto Alegre.

Segundo Jorge Luiz Alano, diretor da empresa, nos primeiros dois dias de feira já foi possível participar de dezenas de reuniões com representantes de cerca de 20 países europeus.

“A maioria deles está interessada em ter parceiros para vender seus produtos e serviços no Brasil”, comemora o executivo. “Percebo que todos querem entrar no mercado brasileiro e têm um pouco de dificuldade, seja com a língua ou com a legislação, e precisam de parceiros”, observa.

Ao todo, a delegação do Brasil na CeBIT 2011 conta com 30 empresas e entidades expositoras e prospectoras.

As companhias participam do evento alemão através do Programa Al Invest IV.

A iniciativa é financiada pela União Europeia e se destina a dar apoio à internacionalização de pequenas e médias empresas da América Latina, por meio da troca de experiências, parcerias em inovação e promoção de negócios com empresas da Europa.

No Mercosul, Chile e Venezuela, o programa é desenvolvido e cofinanciado através de um consórcio de instituições, sob liderança da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Fazendo mais bonito
Segundo Kurt Ziegler, supervisor do Centro Internacional de Negócios da Fiergs e articulador nacional da missão brasileira à CeBIT, este ano o estande da delegação no evento teve melhorias, em relação à última edição.

“Temos um layout aprimorado e serviços complementares à disposição dos empresários. São 108 metros quadrados de área, atendimento de recepcionistas e tradutores, além de 20 pontos de acesso por cabo à internet de banda larga”, comenta Ziegler.

Monitores de plasma para exibição de vídeos institucionais e um terminal localizado no centro do estande, no formato de mesa digital, onde os empresários podem ter acesso a um banco de dados interativo, também fazem parte das novidades do estande.

Além disso, painéis laterais mostram os nomes das empresas participantes do espaço e seus respectivos países – Brasil, Argentina, El Salvador, México, Paraguai e Uruguai.

O “Projeto Participação Brasileira na CeBIT” conta com apoio e realização da Hannover Fairs do Brasil, Softex,  Softsul, Apex-Brasil e Governo do Rio Grande do Sul.

A feira de Hannover acontece até o sábado, 05.