O Ministério da Ciência e Tecnologia lançou na última quarta-feira, 02, o CNPq Express, um sistema que tornará mais rápida a liberação de material de pesquisa importado em terminais de carga de aeroportos.

Conforme o site ComputerWorld, o primeiro aeroporto a adotar o sistema foi o de Guarulhos, em São Paulo.

A partir da adoção, fica determinado que as cargas tenham um selo específico e um termo de responsabilidade, assinado pelo pesquisador, com validade de seis meses. Com isso, o pesquisador não precisará encaminhar um termo a cada importação, como ocorre no procedimento atual.

“A demora na liberação de material importado é uma antiga queixa dos pesquisadores. As enzimas, as células, os animais transgênicos e outros tipos de material biológico são os que aguardam por mais tempo a liberação das autoridades. O CNPq Express foi elaborado para solucionar esse problema”, comunica o MCT.

De acordo com o ComputerWorld,os funcionários dos aeroportos serão capacitados e uma equipe técnica acompanhará a implantação do projeto piloto em Guarulhos.

Além disso, a Anvisa, a Infraero, a Receita Federal e o Ministério da Agricultura participaram da elaboração do novo modelo.