Luís Mário Luchetta, vice-presidente de Articulação Política da Assespro Nacional.

A Assespro Nacional divulgou uma nota nesta quarta-feira, 07, protestando contra os concursos que estatais de processamento de dados estão realizando para formação de cadastro de reserva de profissionais da área.

Para a Assespro, os concursos vão contra a Constituição, que prevê que a exploração direta de atividade econômica pelo estado só é permitida em casos de “segurança nacional ou relevante interesse coletivo”.

“Estas empresas têm sua importância para o Estado mas devem suprir suas demandas sem concorrer com a iniciativa privada. Cabe ao Estado fomentar o desenvolvimento e crescimento da iniciativa privada e tanto Serpro quanto Dataprev deveriam terceirizar, sem nenhum prejuízo para seus trabalhos, ações de TI”, afirma Luís Mário Luchetta, vice-presidente de Articulação Política da Assespro Nacional.

As duas estatais estão fazendo concurso para mais de 1,123 vagas, incluindo analista de TI, analista de processamento e auditoria de sistemas, entre outros.

Luchetta reclama ainda da perda de profissionais que deixam a iniciativa privada em busca de estabilidade. “Isso prejudica empresas que podem perder profissionais formados durante anos de trabalho”, aponta o empresário.

Ainda que seja difícil ocorrer uma demissão, Serpro e Dataprev contratam os novos concursados em regime CLT.

Salários
A Assespro não menciona o tema em sua nota, mas os salários pagos nas estatais também estão acima da média de mercado da TI. No caso da Dataprev, eles ficam entre R$ 2.267,67 e R$ 4.622,70.