A área de TI levou apenas 12 das 446 bolsas de mestrado, doutorado e cursos de qualificação dos professores da rede pública distribuídos pela Fapergs através de um convênio de  R$ 153,8 milhões  assinado com a Capes em agosto de 2011.

 
Desse total, 10 foram para a PUC-RS, todas de doutorado, no curso de Ciência da Computação.
 
De acordo com uma avaliação feita pela reportagem do Baguete, o segmento que mais levou bolsas foi o de ciências exatas, reunindo as diferentes engenharias, com 35,20% das vagas, seguido pela área de saúde (33,63%) e humanas (31,17%).
 
A TI ficou com os 3% restantes.
 
O curso com o maior número de bolsas é o de Biotecnologia, da Universidade Federal de Pelotas (Ufpel) - foram 13 bolsas de doutorado para a instituição.
 
Entre as universidades, por exemplo, a campeã nas bolsas é a Federal de Santa Maria, com 71 bolsas concedidas – em vários cursos –, no total.
 
Na UFSM, os cursos com mais bolsas são ciências farmacêuticas, biodiversidade animal e farmacologia. Informática tem apenas uma bolsa.
 
O secretário de Ciência e Tecnologia, Cleber Prodanov, afirmou ao assumir a pasta que a prioridade seria por segmentos capazes de fomentar da inovação por áreas do estado, de acordo com suas competências das diversas regiões.
 
A meta estabelecida por Prodanov é buscar recursos de R$ 400 milhões de investimentos na área até 2014, pela secretaria ou instituições associadas, como a Fapergs.
 
Graças ao convênio com a Capes, a SCIT chegou a 25% da meta de uma só vez.
 
Procurada pela reportagem do Baguete Diário, a secretaria preferiu não comentar a distribuição das bolsas, alegando que a divulgação oficial será feita em cerimônia nesta quinta-feira, 09.
 
Do total estimado - 750 bolsas -, ainda falta distribuir 305, sendo duas de doutorado (no total de R$ 174 mil), 201 de mestrado (R$ 17,5 milhões) e 49 para qualificação de professores (R$ 22,13 milhões).
 
Os valores devem ser investidos até 2016.