A biografia oficial de Steve Jobs deverá ser publicada em 2012 pela Simon & Schuster.

Chamada de  “iSteve: The Book of Jobs” (“iSteve: o livro de Jobs”), o relato será escrito por Walter Isaacson, que, segundo a agência AP, trabalha no livro desde 2009, tendo realizado entrevistas com Jobs, sua família, amigos e competidores da Apple.

Isaacson já biografou figuras ilustres da história – entre eles Benjamin Franklin e Albert Einstein – fontes de dois best-sellers.

O autor também tem no currículo as experiências como executivo na CNN e na revista Time. Hoje, Isaacson é CEO do Aspen Institute, sediado em Washington, D.C. (Estados Unidos), dedicado a estudos educacionais.

Segundo Jonathan Karp, editor da Simon & Schuster, a promessa é de mais uma “história única de um gênio revolucionário”.

Garantir o legado?
Aos 56 anos, Steve Jobs é encarado como guru da Apple – empresa que fundou na década de 1970 ao lado de Steve Wozniak – e que liderou, a partir dos anos 1990, à condição de uma das marcas mais famosas da computação pessoal, e grife por trás de aparelhos como iPad, iMas, iPhones e iPods.

Atualmente, o CEO está afastado por problemas de saúde de suas atividades diárias na Apple, tendo reaparecido apenas para lançar a segunda versão do talbet da marca. Em sete anos, essa é a terceira dispensa médica por saúde.

Jobs já se tratou de um raro, mas curável, segundo a agência AP, tipo de câncer no pâncreas, além de ter passado por um transplante de fígado.

Não autorizada
Esse, no entanto, não será o primeiro livro sobre o CEO da Apple. “iCon Steve Jobs: The Greatest Second Act in the History of Business” (“iCon Steve Jobs: O Maior Segundo Ato na História de Negócios”), lançado em 2005, chegou a despertar represálias pela Apple.

A empresa baniu todas as obras da editora John Wiley & Sons por publicarem a obra de Jeffrey S. Young e William L. Simon.