Webjet será comprada pela Gol

Tamanho da fonte: -A+A

A compra da Webjet, anunciada na semana passada, dará à Gol a liderança em seis das 10 rotas domésticas em termos de fluxo de passageiros, informa o jornal Valor Econômico nessa segunda-feira, 11.

Como a empresa já tinha a hegemonia em duas delas antes da negociação, observa o jornal, a segunda maior empresa aérea do país ficará à frente da líder TAM em oito das principais ligações brasileiras.

O Valor cita informações do anuário Estatístico de 2010, da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Também segundo o Valor, a Gol espera obter uma sinergia de custos de R$ 100 milhões em dois anos.

O presidente da Gol, Constantino de Oliveira Júnior, declarou nessa manhã que não acredita em demissões com a integração das duas companhias. Isso porque, de acordo com ele, a Webjet tem uma estrutura enxuta, com 1.670 funcionários.

A Gol, por sua vez, conta com cerca de 18 mil colaboradores diretos.

“Não acredito que terá um processo de demissão. Pelo contrário, com ampliação de frota a Gol pode fomentar um processo de contratação”, afirmou o presidente da companhia aérea, acrescentando que a Webjet deverá faturar este ano cerca de R$ 800 milhões.

No ano passado, o resultado foi de R$ 750 milhões.

Na sexta-feira, a Gol anunciou a aquisição de 100% do capital da Webjet pelo valor de R$ 310,7 milhões. Desse total, R$ 96 milhões serão desembolsados ao empresário Guilherme Paulus, único acionista da Webjet. Na negociação, a Gol assume uma dívida de R$ 214,7 milhões.

A conclusão do negócio está sujeita à auditoria e aprovação de autoridades governamentais.

Segundo o Valor, a TAM permanecerá com o maior fluxo de passageiros na ponte-aérea, que em 2010 transportou 3,5 milhões de pessoas.

Também continua com a liderança entre Congonhas e Brasília, com 1,7 milhão de viajantes no ano passado.

Por aeroportos, Gol e Webjet passarão a ter a liderança em Brasília, com 48,8% da demanda, ante 44,5% da TAM. As duas também passam a ser líderes em Salvador, com 47,3%, diante dos 38% da rival TAM, diz o jornal.

Leia a matéria completa do Valor Econômico (para assinantes), nos links relacionados abaixo.