Executivos de grandes sites do e-commerce brasileiro já estão em alerta com a possível vinda da Amazon – maior operação de comércio eletrônico do mundo – para o Brasil.

Enéas Pestana, presidente do Grupo Pão de Açúcar, que controla as lojas virtuais do Extra, Pão de Açúcar, Ponto Frio e Casas Bahia, afirmou ao portal iG que a vinda da Amazon foi um dos assuntos discutidos pelos executivos e acionistas durante as reuniões de planejamento estratégico.

“Fazemos análises de todos os cenários”, disse Pestana.

Segundo o site, a vinda da Amazon foi um deles, ao lado dos problemas da B2W, dona da pontocom da Americanas e do Submarino, também entraram na pauta de discussões.

Rumores
Em julho, um anúncio feito pela varejista norte-americana em seu website sobre um emprego para gerente de vendas com foco nas relações com editoras brasileiras reforçou os indícios da abertura das operações no país.

A vaga era para São Paulo e estava aberta desde maio, mês em que representantes da Amazon haviam contatado editoras como Record e Ediouro. Se disse, na época, que a empresa estaria próxima de anunciar títulos brasileiros para o Kindle.
 
Tanto que a vaga para gerente de vendas no país chega a falar na necessidade de um “profissional experiente para apoiar os relacionamentos da Amazon com editoras brasileiras na medida em que elas adicionam conteúdo para Kindle”.
 
Já se fala, então, de investidas da Amazon, também no comércio eletrônico.

Cenário local
Desde o surgimento dos sites de compras coletivas no Brasil, no ano passado, o comércio eletrônico passa por uma nova onda de transformações.

Além dos sites de descontos para grupos, a influência das redes sociais tem criado novos espaços para negócios mas, principalmente, para exposição das queixas dos consumidores.

Mais competição e faturamento
Com um público mais habituado a usar a internet as empresas de e-commerce têm se proliferado.

Pioneira na internet brasileira com a Americanas.com, por exemplo, a B2W enfrenta uma forte competição no varejo online, que ameaça a sua liderança histórica, de mais de 10 anos, relembra o iG.

Além da Nova Pontocom, que foi criada em 2009 pelo Grupo Pão de Açúcar e reuniu as quatro operações de comércio eletrônico controladas pela companhia, o Walmart e o Carrefour têm sites.

Dados do E-bit indicam para o e-commerce nacional indicam um faturamento na casa dos R$ 20 bilhões em 2011, alta de 35% sobre o valor movimentado  no ano passado.

Leia a matéria do portal iG nos links relacionados abaixo.