Lino Kieling e Jorge Barnasque, dois gaúchos atualmente trabalhando para o governo federal em Brasília, são nomes cotados para assumir a Procergs no governo Tarso Genro (PT).
 
Foi o que averiguou a reportagem do Baguete Diário junto a fontes ligadas à estatal de processamento de dados gaúcha.
 
De acordo com as fontes, Kieling seria indicado pelo presidente do Serpro, Marcos Mazoni e por Rogério Santanna, presidente da Telebrás, dois gaúchos de destaque na área de TI do governo Lula.
 
Atualmente na assessoria da presidência, Kieling foi diretor da Procempa,  coordenador-geral de Informática no Ministério do Trabalho no Emprego e presidente da Dataprev.
 
Barnasque é atualmente diretor no Serpro, onde entrou em 1972. O profissional foi diretor da regional do Serpro em Porto Alegre e presidente da Procergs de 1991 a 1995, durante o governo Collares.
 
Pesaria a favor de Barnasque na balança a maior proximidade com a presidente eleita Dilma Rousseff, com quem conviveu durante a administração Collares, quando Dilma era parte do conselho de administração da Procergs.
 
Os nomes valem caso o PT fique com o controle da Procergs, não sendo entregue a algum outro partido da base aliada de Tarso.
 
Tradicionalmente, disputa pela presidência da estatal de processamento de dados fica em segundo plano frente a estatais com mais orçamento e cargos como Corsan e CEEE.
 
Durante a gestão Yeda Crusius (PSDB), a estatal reduziu seu quadro de diretores de cinco para três, incluindo a presidência. Os diretores não têm CCs.
 
A aposta das fontes ouvidas pelo Baguete é que a nova presidência seja definida na primeira semana de janeiro.