Lei pode reduzir subsídios à educação

14/02/2012 11:00

Novas limitações na Lei 12.513, que prevê abatimento em contribuição previdenciária para empresas que concedem benefícios relativos à educação a seus funcionários, podem reduzir o interesse das companhias na concessão de bolsas e subsídios para formações.

Tamanho da fonte: -A+A

Novas limitações na Lei 12.513, que prevê abatimento em contribuição previdenciária para empresas que concedem benefícios relativos à educação a seus funcionários, podem reduzir o interesse das companhias na concessão de bolsas e subsídios para formações.

Alterada, a lei passou a prever isenção de contribuição previdenciária somente para bolsas no valor de até R$ 933 mensais, ou equivalentes até 5% da remuneração do colaborador - vale o limite que for maior.

Benefícios acima disso não contam mais com a isenção da contribuição, limitação que não existia e que, segundo fontes ouvidas pelo Valor Econômico, já começa a desestimular a concessão de bolsas.

O Laboratório Sabin é um exemplo de organização que já alterou a política de concessão de benefícios para educação, segundo contou Juliana Alcântara, gerente de RH da companhia, ao Valor.

Com cerca de mil empregados, a empresa limitou a quantidade de vagas para a concessão de bolsas de educação: antes ilimitado, agora o benefício vale só para 10% do quadro de trabalhadores.

Outras companhias, como Whirlpool Latin America, Volvo e BV Financeira, já declararam que, mesmo com a mudança na lei, não vão alterar suas políticas de subsídios de educação a funcionários.

A nova lei, porém, não foi de todo mal recebida: a Febraban, por exemplo, enviou nota à imprensa destacando que a lei expande os incentivos à formação profissional e tecnológica.

Pela legislação anterior, a Receita Federal isentava de contribuição o custeio da educação dos funcionários e dependentes em dois casos: em bolsas para ensino fundamental e médio, ou com foco em capacitação profissional.

Com a alteração, bolsas para cursos universitários e de pós-graduação, por exemplo, também ficam liberadas do encargo previdenciário.

A lei também facilitou a concessão de bolsas sob o aspecto de que, antes, todos os empregados ou dirigentes deveriam ter a mesma possibilidade de fazer determinado curso, exigência que não existe mais.

Com as mudanças, as empresas ganharam o direito de decidir quem deve levar as bolsas.

Veja também

TI leva poucas bolsas da Fapergs

A área de TI levou apenas 12 das 446 bolsas de mestrado, doutorado e cursos de qualificação dos professores da rede pública distribuídos pela Fapergs através de um convênio de  R$ 153,8 milhões  assinado com a Capes em agosto de 2011.

Isca para pesquisadores brasileiros
Para que pesquisadores brasileiros que atuam fora do país voltem a desenvolver seus estudos ao Brasil, o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, pretende oferecer uma espécie de bolsa de estudo sanduíche. 
 
A ideia é que os cientistas pesquisem no exterior e depois retornem ao país por um período determinado de tempo – dois anos, por exemplo.
 
RS e Coreia firmam convênios

Gaúchos e coreanos estão estreitando ainda mais suas relações.

Nessa semana, o governo do estado do Rio Grande do Sul e a Coreia do Sul assinam dois convênios de intercâmbio de alunos e pesquisadores brasileiros e coreanos nas áreas de engenharia e tecnologia.

Três universidades coreanas fazem parte da parceria: as de Kaist, Postech e Yonsei.

Dilma quer 75 mil bolsas no exterior

A presidente Dilma Rousseff quer financiar 75 mil bolsas de estudo no exterior.

O objetivo é combater a escassez de mão de obra qualificada no Brasil. Somente na área de TIC, indica estudo da Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), serão 92 mil vagas não preenchidas por falta de profissionais até o final do ano.

CNPq: 77% dos doutores ficam na universidade

Atualmente, 77% dos doutores brasileiros continuam na universidade depois de formados.

O número foi identificado em pesquisa  do CNPq, com dados da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e o cruzamento de CPFs cadastrados no registro de empregos.

Segundo o mesmo estudo, outros 11% dos doutores brasileiros atuam na administração pública, após serem aprovados em concursos.

SAP Labs LA é o que mais cresce

Dos 15 centros de desenvolvimento e suporte da SAP atualmente existentes no mundo, o SAP Labs Latin America, localizado em São Leopoldo, é o líder em crescimento de profissionais.

Com 432 empregados – aos quais se devem somar outros 40 nos próximos dois meses –, o centro deixou de ser o "irmão menor" do grupo e já está no mesmo time dos existentes em países como Israel, Bulgária, França e Canadá, todos entre 400 e 600 colaboradores.

SBPC: 2% do PIB em P&D até 2020

A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) quer quase dobrar o gasto em pesquisa e desenvolvimento da economia brasileira, atualmente em 1,09% do PIB nacional, para 2% em 2020.

A meta supõe um crescimento anual do investimento na ordem de 10,4%, supondo que o crescimento do PIB fique estável em 5% anuais. Na projeção da entidade, o gasto privado em P&D deve ser majoritário, ficando entre 1,1 e 1,2 ponto percentual.

Samsung e C.E.S.A.R.: bolsas para Bada

A Samsung e o C.E.S.A.R - instituto privado de inovação - estão disponibilizando 34 bolsas de estudo para o curso de Residência em Desenvolvimento de aplicações móveis na plataforma para smartphones Samsung Bada.

O curso é direcionado para graduados ou alunos cursando o último semestre nos cursos de Engenharia de Software, Ciência da Computação, Análise de Sistemas ou Processamento de Dados.