Catalyst: empurrão para novas empresas

14/04/2011 18:01

O Centro de Inovação Microsoft/PUC-RS acaba de se tornar o único do Brasil a participar do programa Catalyst, projeto ainda em fase piloto que visa a estimular estudantes e empreendedores a elaborar empresas na área de TI.

O programa, que tem investimento inicial previsto de R$ 40 mil, prevê a qualificação gratuita de pessoal e o encaminhamento de projetos resultantes em empresas para a incubadora Raiar.

Tamanho da fonte: -A+A

O Centro de Inovação Microsoft/PUC-RS acaba de se tornar o único do Brasil a participar do programa Catalyst, projeto ainda em fase piloto que visa a estimular estudantes e empreendedores a elaborar empresas na área de TI.

O programa, que tem investimento inicial previsto de R$ 40 mil, prevê a qualificação gratuita de pessoal e o encaminhamento de projetos resultantes em empresas para a incubadora Raiar.

De cara, o interesse na iniciativa já chama a atenção: foram 50 candidatos inscritos para 40 vagas disponíveis.

Muito além da PUC
Direcionado aos alunos de graduação e pós-graduação de instituições do Rio Grande do Sul que estejam vinculados às áreas de Tecnologia, Informática, Administração e Publicidade, o projeto pretende suprir a lacuna de incentivo ao empreendedorismo dentro das universidades.

Os participantes serão capacitados tecnicamente nas plataformas .Net, Windows Azure e WP7.

Além disso, receberão suporte de negócios e mentoring referente à arquitetura de software, tudo de graça.

Cinco etapas de gestação
“O Catalyst compõe cinco etapas iniciais, que incluem a formação de equipes, treinamento e o desenvolvimento de protótipos direcionados à tecnologia da informação”, explica Bernardo Copstein, coordenador geral do Centro de Inovação da PUC-RS.

Projeto de três meses
As ideias melhores, e que se enquadrarem no desenvolvimento da economia local, serão encaminhadas para o processo de pré-incubação da Raiar, no TecnoPuc, e ao Torneio Empreendedor.

Os que resultarem em real incubação poderão permanecer na entidade por dois anos, tendo à disposição uma estrutura de consultorias diversas, salas comuns e bibliotecas.

“Precisamos fortalecer a TI. Para isso é viável focar no extraordinário e gerar desenvolvimento, solucionando o gargalo da área”, comenta Copstein.

O Catalyst tem duração de três meses, com início das atividades previstas para 03 de maio.

Centro de Inovação
O Centro de Inovação da PUC-RS é resultado de uma parceria firmada entre a Microsoft e a universidade porto-alegrense, que teve início em abril de 2003.

O local desenvolve atividades como cursos, palestras, programas de capacitação, provas de conceito, “innovation labs”, incubação de empresas, desenvolvimento de projetos, entre outros.

Atualmente há cerca de 90 Centros de Inovação Microsoft presentes em diversas cidades brasileiras e do mundo.

Quer incubar?
As inscrições para o Catalyst vão até domingo, 24 de abril.

A ficha de inscrição deve ser solicitada para o e-mail catalyst@pucrs.br.

Veja também

Vale do Silício sonda startups no Brasil

Investidores do Vale do Silício estão no Brasil em busca de oportunidades de investimentos.

Uma delegação, que inclui cofundadores de sites como YouTube e MySpace, desembarcou nesta semana para participar numa série de palestras em São Paulo e no Rio de Janeiro, durante a Semana do Vale do Silício.

Faz parte da agenda do grupo reuniões com empresários, políticos, pesquisadores e jovens empreendedores e estudantes brasileiros.

Prodanov: R$ 140 mi para fomentar inovação

O Rio Grande do Sul precisa de aproximadamente R$ 140 milhões, em quatro anos, para fomentar a inovação e o desenvolvimento tecnológico do estado. Os valores seriam destinados a parques, polos regionais e Coredes.

A estimativa foi dada pelo titular da Secretaria de Ciência Inovação de Desenvolvimento Tecnológico (SCIT), Cléber Prodanov. Ele participou nessa terça-feira, 22, do Meeting de Tecnolgia da Federasul.

RS Tecnópolis em abril

SUS pode incentivar inovação no Brasil

Usar o Sistema Único de Saúde (SUS) para estimular a inovação é a proposta do ministro-interino de Ciência e Tecnologia, Luiz Elias.

“O Brasil precisa modificar seu modelo de desenvolvimento, deixar de depender das commodities e investir mais em pesquisa e inovação, com o SUS incentivando a iniciativa privada a inovar”, propôs Elias.