A Casa da Moeda produziu 11.601 passaportes com bugs, e está fazendo um recall dos documentos.

Segundo matéria publicada no jornal Folha de S. Paulo nessa quarta-feira, 15, os passaportes defeituosos foram feitos de 2 de março a 6 de abril, conforme documentos obtidos pelo jornal.

No período, foram produzidos 170 mil documentos.

O erro ocorreu porque um programa eletrônico da Casa da Moeda, que passou a fabricar o novo modelo em 10 de janeiro, não repassou para o chip alguns sinais gráficos dos dados pessoais. Os caracteres estão corretos na parte impressa.

A falha no chip pode gerar inconsistência na leitura dos dados em aeroportos, portos e postos de fronteiras de países que têm leitores para passaportes eletrônicos, explica a Folha.

Donos de passaportes defeituosos estão sendo avisados para fazer a troca, onde foram emitidos.

Quando lançado, o novo documento iria “proporcionar mais agilidade, praticidade e conforto aos seus portadores”. Agora, a falha se soma a outros transtornos no processo de emissão da Polícia Federal.

Em setembro do ano passado, uma falha técnica deixou todas as superintendências da PF no país sem o sistema de emissão de passaporte, em função da migração dos sistemas para novos equipamentos, que tinha como objetivo a modernização de seu parque tecnológico.

Desde o início do ano, a PF tem enfrentado problemas para normalizar o serviço de emissão e renovação de passaportes. Em março, a troca da empresa responsável pela coleta de dados para a emissão de passaportes provocou atrasos para a confecção do documento.

No mês de julho, o crescente aumento da demanda contribuiu para atrasos de 80 dias para emissão do documento no estado de São Paulo.