A BR Properties e a WTorre Properties anunciam a fusão de suas operações, que cria uma companhia com portfólio de R$ 10 bilhões em ativos.

Trata-se da maior empresa de administração de imóveis do país, focada em alugueis para escritórios comerciais, varejo e galpões, informa o Valor Econômico.

Na transação, o BTG Pactual será o maior acionista, com 30,8% do capital. A WTorre Properties será incorporada pela BR Properties, que já era uma companhia de capital pulverizado na BM&FBovespa.

Trocando em miúdos, a BR Properties comprou os imóveis da concorrente, pagando em ações, enquanto o banco de investimentos, que controlava a WTorre desde março, entra como sócio financeiro, sem intenção de atuar como investidor de longo prazo no negócio, conforme divulgado pelas companhias.

O segundo maior sócio da nova BR Properties será o próprio Walter Torre, que ficará com 8,4% da empresa combinada.

Outros acionistas originários da WTorre ficarão com 2,7%.

No total, acionistas vindos da empresa incorporada terão 41,9% da BR Properties, o que equivale à participação dos ativos da WTorre (R$ 4,19 bilhões).

Já os antigos acionistas da BR Properties ficarão com 58,1% da companhia combinada.

Conforme o presidente da BR Properties, Claudio Bruni, na criação da WTorre a companhia era avaliada em R$ 5,3 bilhões, mas foi comprada, agora, por valor abaixo disso em função de dívidas.

Com a fusão, o executivo seguirá sendo presidente de sua empresa, contando com novos membros no conselho de administração, que passa de cinco para sete cadeiras.

Destes conselheiros, Bruni será um, enquanto os acionistas da companhia definirão outros dois e, o BTG, os demais.

Toda a diretoria da BR Properties será mantida.

Já Walter Torre, fundador do Grupo WTorre, não terá função executiva na companhia.