Rafael Prikladnicki, professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação da PUC-RS e atual diretor da Agência de Gestão Tecnológica da universidade, será um dos destacados no Prêmio Pesquisador Gaúcho, entregue pela Fapergs nesta quinta-feira, 17.

 
A premiação será entregue na Fiergs, como parte da programação do Congresso Internacional da Inovação.
 
O destaque foi concedido na categoria Tese Inovadora pelo seu trabalho nas áreas de  desenvolvimento distribuído, qualidade e metodologias ágeis para desenvolvimento de software. 
 
O professor da PUC-RS também ganhou em maio desde ano o terceiro lugar no prêmio Dorgival Brandão Júnior da Qualidade e Produtividade em Software do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software - PBQP Software, pelo seu trabalho na organização do Agile Brazil 2010.
 
Prikladnicki foi o único representante da área de TI entre os 10 ganhadores da premiação,  relançado pela Fapergs após um hiato que durava desde 2007.
 
TI fora das categorias da premiação
Prikladnicki foi premiado em uma das categorias extra do prêmio, que incluem ainda Piá Inovador, dedicado à pesquisa na área de graduação e  Prêmio Pesquisador na Empresa, focado em projetos de colaboração entre o meio acadêmico e empresarial.
 
TI não é uma das categorias normais do prêmio, que contempla sete áreas do conhecimento: Agrárias, Saúde, Biológicas, Artes e Letras, Educação e Psicologia, Administração e Economia e Ciências Humanas e Sociais. 
 
Em edições anteriores, estava previstas 12 categorias, sendo uma delas Matemática, Estatística e Computação, na qual foi premiada Luigi Carro, pesquisador do Departamento de Informática Aplicada do Instituto de Informática da Ufrgs.
 
Em 2002, o agraciado havia sido outro pesquisador da Ufrgs, Ricardo Augusto da Luz Reis. 
 
A premiação começou a ser concedida em 1977, com projeto de ser entregue a cada dois anos. Foram realizadas 15 edições. No site da premiação, a Fapergs atribuiu a paralisação dos últimos anos a “uma redução significativa do seu orçamento para investir em pesquisa”. 
 
Em fevereiro, o governo do estado liberou R$ 29 milhões para seis editais na área de pesquisa e inovação. O valor é o triplo de todo orçamento do órgão em 2009, que foi de R$ 10 milhões.
 
A não existência de uma categoria específica para tecnologia não condiz com o momento do setor no Rio Grande do Sul. 
 
Só na área de eletroeletrônica, a join-venture coreano brasileira HT Micron tem investimentos previstos de US$ 200 milhões em São Leopoldo. A inauguração está prevista para o segundo semestre de 2012, mas já iniciaram intercâmbios e convênios com universidade da Coréia do Sul.
 
Em telecomunicações, empresas gaúchas como Datacom e Digitel tem investimentos crescentes em P&D, respaldados por contratos milionários obtidos em função do PNBL.
 
Já a área de software atraiu nos últimos anos centros de pesquisa de multinacionais como SAP e HCL, que se somaram a operações já instaladas desde o começo dos anos 2000 como Dell, HP e outras.