Shami Khorana

A HCL quer dobrar o número de funcionários no Parque Tecnológico São Leopoldo Tecnosinos.

Hoje com 150 funcionários, a empresa planeja chegar a 300 até 2012, segundo o seu vice-presidente Shami Khorana, que esteve no Brasil nessa semana, visitando o Tecnosinos.

Nesse ano, a empresa faz dois anos de instalação no parque.

“É muito bom chegar aqui e ver que as pessoas que trabalham na nossa empresa estão motivadas. Ficamos felizes em saber que a nossa equipe gosta de trabalhar aqui”, destacou Khorana.

Com instalações também em São Paulo e Curitiba, a HCL soma 280 empregados no Brasil – entre sede, centro de desenvolvimento e filial.

No Brasil, 85% do faturamento vem de negócios fechados no próprio país, sendo que e apenas 15% do total faturado no mercado nacional vem de contratos de desenvolvimento offshore em outros mercados.

Totalizando 80 mil funcionários em todo o mundo, a indiana HCL reporta receita de US$ 5,6 bilhões.

Pronto para expandir
Atualmente com 144 mil metros quadrados, incluindo incubadora tecnológica e condomínios para as empresas, o Tecnosinos está de olho numa área de 55 hectares do horto florestal de São Leopoldo para abrigar a expansão do parque tecnológico.

“Nosso plano é usar metade do espaço para abrigar empresas e reflorestar o restante com mata nativa”, diz Susana Kakuta, gestora executiva do Tecnosinos.

De acordo com Suzana, o novo espaço – o dobro do ocupado atualmente pelo Tecnosinos - é necessário para realizar os planos de atrair 300 empresas nos próximos anos, incluindo 20 companhias âncora.

Com 43 empresas instaladas, o parque emprega atualmente 2,1 mil funcionários e gera um faturamento anual de R$ 830 milhões. Além da HCL, SAP, Meta e Stefanini estão entre as maiores companhias no local.