Alexandre Pereira assumiu o cargo de diretor Global de TI da Vale. 

 
Pereira está na companhia desde 2002 e já atuou em diferentes posições na área de TI da empresa, como gerente-geral de TI, projetos globais, CIO, até chegar ao atual cargo de diretor global de TI. 
 
O executivo assume a posição deixada por Rogério Fava que estava há três anos e oito meses à frente da direção da TI da mineradora, uma das maiores empresas do Brasil, com lucro de R$ 30,1 bilhões em 2010.
 
Fava assumiu o posto de CIO da Vale em 2008, vindo da Unilever, onde havia sido contratado em 2000 para assumir a diretoria de tecnologia para a América Latina do Grupo Unilever Brasil.
 
As mudanças no departamento de TI da Vale – que não acabam pela troca do líder, segundo apurou a reportagem do Baguete - se dá em meio ao que deve ser o maior projeto de ERP em andamento no Brasil.
 
Em dezembro de 2010, a Vale assinou um contrato com a SAP para implementar soluções da companhia alemã.
 
Fontes de mercado revelaram ao Baguete que o negócio foi o maior da multinacional no país no ano, chegando a R$ 60 milhões.
 
O caso é que a Vale, onde o ERP E-Business Suite entrou em operação em 1º de setembro de 2004, é o maior cliente da Oracle no Brasil.
 
De acordo com reportagens da época, a implementação custou US$ 55 milhões e chegou a mobilizar até 500 profissionais nos momentos de pico.
 
Mudanças na cúpula
A Vale passou por mudanças na alta administração em abril, quando o executivo Murilo Ferreira assumiu no lugar de Roger Agnelli após 10 anos de cargo.
 
Ferreira, que chegou a presidir os negócios da companhia no Canadá, era tido como o candidato favorito da presidente Dilma Rousseff para a posição.
 
A saída de Agnelli e a entrada de Ferreira aconteceram em um contexto de pressão do governo por mudanças na política de investimentos da Vale, que tem um orçamento de US$ 24 bilhões para gastar em 2011.
 
O foco de Agnelli – que multiplicou o lucro da empresa dez vezes entre 2001 e 2010, ano em que a Vale atingiu R$ 30 bilhões – era a internacionalização do negócio.
 
Brasília quer que a empresa invista em siderurgia e participe na construção de hidrelétrica e obras de infraestrutura.
 
Embora a Vale tenha sido privatizada em 1997, o governo exerce influência na companhia por meio do BNDES e de fundos de pensão liderados pela Previ, dos funcionários do Banco do Brasil, que respondem por cerca de 60% das ações.
 
O restante esta nas mãos da Bradespar (empresa de participações ligada ao Bradesco) e da trading japonesa Mitsui.