A Tigre, empresa do segmento de tubos e conexões, acaba de ser indicada como a nona empresa brasileira mais internacionalizada no estudo da Fundação Dom Cabral, "Transacionais Brasileiras 2010".

Pelo segundo ano consecutivo, a Tigre é classificada no ranking das Top 10, comprovando a sólida atuação no mercado externo. O estudo avaliou o grau de internacionalização das empresas brasileiras segundo indicadores de vendas/receita, ativos e funcionários no exterior.

"Nossa presença entre as empresas mais internacionalizadas confirma o investimento constante da Tigre em seu processo de crescimento acelerado nas Américas e na África. Nosso foco é consolidar a liderança em todos os mercados em que atuamos, afirma Evaldo Dreher, presidente da Tigre.

Hoje, a empresa possui 10 fábricas no exterior, concentradas no Continente Americano, e mantém negócios com mais de 40 países, que representam 25% de seu faturamento anual. Só em 2009, a Tigre registrou receita de R$ 2,3 bilhões.

Neste primeiro quadrimestre de 2010, o Grupo Tigre teve crescimento de 40% em volume de sua produção e 24% em receita, em relação ao mesmo período de 2009, em suas unidades no exterior.

O Grupo planeja investir no ano de 2010 um total de R$ 200 milhões. Parte deste montante será aplicado para ampliar significativamente sua presença no exterior, especialmente no Continente Africano, que hoje recebe mais de 50% das exportações, principalmente Angola, Argélia e Nigéria.

A Tigre iniciou seu processo de internacionalização na década de 70, quando constituiu uma empresa no Paraguai e realizou a primeira exportação.