Com vendas de US$ 31,2 bilhões entre os meses de maio e julho de 2011, a HP teve faturamento 1% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado.

Consideradas as variações cambiais, o resultado foi 2% menor do que o registrado em 2010.

As vendas para empresas tiveram um crescimento de 5% em um ano. Já os produtos voltados a clientes residenciais tiveram uma queda de 15% na comparação entre julho de 2010 e julho de 2011.

Segundo o jornal Valor Econômico, especialmente as vendas do tablet TouchPad e dos celulares da linha Pre frustraram as expectativas da HP.

“Teríamos que investir por mais 1 ou 2 anos no segmento sem ter certeza de retorno no futuro”, disse Cathie Lesjak, principal executiva de finanças da companhia.

De acordo com a executiva, a unidade webOS, onde estavam os recém-lançados tablets e celulares da companhia, teve uma receita de US$ 266 milhões e prejuízo de US$ 322 milhões no terceiro trimestre do ano fiscal 2011.

Cathie afirmou que o sistema operacional webOS teve uma boa aceitação entre consumidores e desenvolvedores de software, mas que o hardware não teve o mesmo desempenho.

Por região, receita nas Américas e Europa, Oriente Médio e África ficaram estáveis no período, em US$ 14,1 bilhões e US$ 11 bilhões, respectivamente. Na região da Ásia-Pacífico, o faturamento cresceu 9%.

O bloco de países formado por Brasil, Rússia, Índia e China (Bric) gerou receita de US$ 3,7 bilhões, alta de 12% em um ano. O Bric representou 12% das vendas totais da HP entre maio e julho de 2011.