Tamanho da fonte: -A+A

Carlson Aquistapasse assumiu a Procergs nesta quinta-feira, 20, prometendo aumentar o uso de software livres na administração pública gaúcha.

“Mais software livre significa redução da dependência tecnológica e dos custos da política tecnológica”, afirmou  Aquistapasse durante seu discurso de posse.

Ao longo dos últimos anos, a Procergs se aproximou da Microsoft. Professores e alunos receberam contas do Windows Live Mail.

O programa Professor Digital, que já subsidiou a compra de 50 mil notes para professores da rede estadual e municipal, em um primeiro momento só oferecia sistema Windows. Depois de uma batalha judicial com a Associação Software Livre, passou a ser oferecida a opção Linux.

O novo presidente da estatal de processamento de dados gaúcha disse ainda que pretende “alinhar” a Procergs à política do governo federal no que diz respeito ao PNBL e à inclusão digital.

No Rio Grande do Sul, a estatal deve participar dos planos do governo de fomentar a criação de polos e incubadoras de software e eletroeletrônica.

O novo presidente não se manifestou sobre a participação de empresas gaúchas consorciadas nos editais da Procergs, uma opção que tem mobilizado os empresários locais e não foi adotada pela última administração.

Aquistapasse era assessor Administrativo Financeiro do Labelo da PUC-RS.  O profissional foi  diretor-administrativo da Procempa de 1994 a 2002.

Diretoria completa
Na posse, também foram anunciados oficialmente o nome do vice presidente, Cláudio Dutra, do diretor técnico,  Lino Kieling, e do diretor administrativo, Daniel Maia.

Maia, um analista do Banco Central que nos últimos anos atuou como secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento Agrário, foi a surpresa da manhã.

A expectativa nos bastidores era por Sady Jaques, funcionário da companhia e embaixador da Associação Software Livre.Org.

Os nomes de Dutra, ex-diretor de operações da Procergs e da Procempa atualmente na Celepar, e de Kieling, ex-presidente da Dataprev, já eram esperados e foram adiantados pela reportagem do Baguete Diário. Kieling chegou a ser cotado para assumir a presidência.

Transição
A transição parece ter sido tranquila na Procergs.  

Aquistapasse, que na última semana despachou na estatal, reconheceu que encontrou uma empresa “bem gerida” e com “práticas administrativas saudáveis”.

O novo presidente elogiou ainda realizações da gestão anterior como a nota fiscal eletrônica, o programa de distribuição de remédios e a delegacia digital.

Software livre
Aumentar o uso de software livre na administração pública é bem mais complicado do que parece.

Sete anos após o início da política de incentivo à migração no governo federal, os resultados ainda são incipientes, como mostrou uma pesquisa apresentada no último Fisl.

O estudo apontou  que o código aberto faz sucesso nestes órgãos principalmente no back end.

Para servidores, 50% já utilizam o software livre ante 8% dos usuários de programas proprietários. Outros 19% estão na fase inicial de adoção e 23% em fase de andamento.

Já os sistemas de informação são de código aberto para 57%, estão em estágio inicial para 17% e em andamento para 15% dos órgãos. Apenas 11% ainda usam a versão paga.

Por outro lado, o contato com o usuário ainda é majoritariamente feito através de software proprietário. Para sistemas operacionais, o software livre está em apenas 5% dos órgãos ante 47% de concorrentes pagos. Mas a migração já representa 43%, ainda que em estágios iniciais.

Confira a pesquisa na íntegra nos links relacionados abaixo.