Tamanho da fonte: -A+A

As companhias estatais brasileiras estão desenvolvendo mais produtos e processos inovadores do que as privadas, aponta um estudo divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), publicado pela Exame.com, nesta quarta-feira, 20.

A pesquisa conta com dados de 2008 e avalia que a taxa de inovação entre as empresas controladas pelo Governo Federal é de 68,1%, o que representa um desenvolvimento de produtos ou inovação por parte de 49 das 72 companhias estatais brasileiras.

O IBGE afirma que a taxa de inovação no mesmo ano, entre as empresas privadas industriais e de serviços, foi de apenas 38,6%.

Segundo a Exame, a Pesquisa de Inovação nas Empresas Estatais Federais de 2008 indica ainda que as companhias controladas pelo estado realizaram naquele ano investimentos de R$ 5,6 bilhões no desenvolvimento de inovações, o que equivale a 1,7% de sua receita.

Ao todo, 73,1% das empresas privadas consideram como maior dificuldade para inovar no país os elevados custos de investimento, e 65,6% citam os riscos econômicos excessivos.

Entre as estatais, somente 35,7% se queixam dos altos custos e 17,9% dos riscos elevados.

A diferença é reflexo dos incentivos do governo a 24,5% das estatais.

Ao todo, a pesquisa concluiu que 71,4% das estatais assinaram acordos de cooperação com centros de pesquisa, enquanto a taxa para as privadas foi de apenas 10,4%.

De acordo com publicação da Exame,  para as empresas privadas a inovação serviu apenas para a manutenção da participação no mercado (76,4%) ou para aumentá-la (68,5%).