A Petrobras elevou nesta segunda-feira, 21, em quase 30% seus investimentos para o período de cinco anos até 2014, para US$ 224 bilhões, montante que coloca a necessidade de capitalização da companhia na banda mais alta das previsões.

O plano prevê US$ 50 bilhões a mais que o anterior, de US$ 174,4 bilhões (2009-2013), e ficou no teto da estimativa da empresa, que previa investimentos entre US$ 200 bilhões e US$ 220 bilhões para o período de 2010 a 2014.

A Petrobras havia estimado que se o valor total do plano ficasse mais próximo de US$ 220 bilhões, a operação de capitalização da empresa buscaria o ponto mais alto do intervalo entre US$ 15 blihões e US$ 25 bilhões para o volume de recursos a ser buscado junto aos acionistas não controladores.

O anúncio do plano ocorre um dia antes de acionistas da companhia se reunirem em assembléia para aprovar um grande aumento de capital. A forte ênfase na atuação em águas profundas, uma marca da empresa, se manteve no novo plano, mesmo à sombra do grande acidente com a BP na região norte-americana do Golfo do México.

Do total previsto entre 2010 e 2014, 95% serão aplicados no Brasil e apenas 5% no exterior, direcionados justamente para o Golfo (blocos Cascade, Chinook, Saint Malo e Tiber), para a Nigéria e o Peru.

A área de Exploração e Produção receberá US$ 118,8 bilhões, 14% a mais do que o plano anterior.

Já a área de Abastecimento (refino, transporte e comercialização-RTC) vai receber investimentos de US$ 73,6 bilhões, ante US$ 43,4 bilhões no plano anterior, visando cumprir também os projetos de novas refinarias da companhia, que foram todos mantidos.

Como comparação, a área de Exploração e Produção passou de 59% dos recursos totais no plano anterior para 53% agora. Abastecimento, que inclui refino, subiu de 25% para 30% do total. As informações são da Reuters.