Cléber Prodanov esteve no Meeting de Tecnologia da Federasul nessa terça-feira

O Rio Grande do Sul precisa de aproximadamente R$ 140 milhões, em quatro anos, para fomentar a inovação e o desenvolvimento tecnológico do estado. Os valores seriam destinados a parques, polos regionais e Coredes.

A estimativa foi dada pelo titular da Secretaria de Ciência Inovação de Desenvolvimento Tecnológico (SCIT), Cléber Prodanov. Ele participou nessa terça-feira, 22, do Meeting de Tecnolgia da Federasul.

RS Tecnópolis em abril
Segundo o secretário, no início de abril um programa chamado RS Tecnópolis será apresentado e, junto com ele, o primeiro edital para captação de recursos, que serão aplicados em parques tecnológicos e polos de desenvolvimento.

Não foi informado o valor do edital.

Conforme revelado pelo próprio Prodanov ao Baguete Diário na semana passada, no entanto, a SCIT já tem R$ 12 milhões em uma licitação de apoio a parques do estado a ser lançado até abril.

“Não posso confirmar valores. Só o que posso dizer é que será mais do que os R$ 10 milhões do último edital do ano passado”, disse o secretário.

Mais editais a caminho
Outros dois editais serão lançados ainda em 2011, adianta Prodanov. As fontes dos recursos devem ser BNDES, Ministério da Ciência e Tecnologia, Banco Mundial e estatais. Não foi dada uma expectativa de quanto seria levantado até o final do ano pela pasta.

Na sua primeira edição, o edital deverá ser aberto, sem foco em um setor específico na captação de recursos. Os outros, diz Prodanov, poderão ser direcionados para áreas específicas.

Apoiar regiões, não CNPJs
Em seu discurso, Prodanov deixa claro que o foco da pasta não é fazer o papel de bancário, apenas desembolsando dinheiro “e vendo as coisas acontecerem”. Na opinião do secretário, a pasta deve cumprir o papel de articuladora, não só de empresas, mas da sociedade.

“A questão não é apoiar um CNPJ, e sim uma região do estado”, disse.

E o Oceantec?
Uma das regiões citadas é a zona Sul, onde o setor naval deve atrair mais investimentos nos próximos anos, em função da presença da Petrobras em Rio Grande.

De lá vem um projeto da Federal de Rio Grande (FURG) que quer aproveitar o momento e gerar o “desenvolvimento sustentável” na região (leia nos links relacionados abaixo a matéria do Baguete Diário sobre a proposta).

No início do ano, a FURG encaminhou uma proposta de aporte à SCIT para o desenvoovimento do projeto.

“Não posso dizer nem quando nem se serão liberados os recursos”, disse Prodanov, quando indagado sobre o aporte. “Mas a ideia é muito boa, bem focada nas competências da cidade. Só nos preocupa como envolver a região no processo”, completou.