Os aeroviários de São Paulo entraram em greve na madrugada dessa quinta-feira, 22.

Entre as atividades da paralisação estão manifestações no aeroporto de Congonhas reivindicando aumento salarial, indica o site da Exame.

Segundo o presidente do Sindicato dos Aeronautas do Município de São Paulo, João Pedro Passos de Souza Leite, a greve foi deflagrada às 4h45 e vai continuar ao longo do dia, atingindo boa parte do pessoal de apoio em terra.

“A maior parte dos trabalhadores parados faz parte do apoio em terra, como pessoal de rampa, push-back e descarga”, explicou ao site da revista.

Leite também diz que, por conta da paralisação, os voos da companhia aérea TAM são os mais prejudicados. De acordo com a Infraero, os guichês da TAM eram os que apresentavam maior volume de passageiros no começo da manhã.

Ao menos seis decolagens da empresa e um da Gol estavam com atrasos até as 7h30. Até as 9h, 10% dos voos estavam atrasados em Congonhas e 32% estavam atrasados.

Para João Pedro, "a tentativa de começar a greve nesta quinta-feira, foi para sensibilizar as empresas aéreas para que ofereçam uma nova proposta para os trabalhadores".