A paranaense Solbravo S/A, instalada na incubadora Intec, do Tecpar, está desenvolvendo uma solução que envolve a substituição de painéis solares por telhas com a mesma função.

O projeto, chamado “Produção de telhas de polímeros de baixo custo com células fotovoltaicas encapsuladas para a geração de energia renovável em moradias populares”, foi aprovado pelo CNPq, o que tornou possível a incorporação de dois novos profissionais à equipe empresa.

Não foi revelado o valor destinado pelo CNPq à empresa.

Um físico especializado em fenômenos fotoelétricos e um desenhista de produtos passaram a fazer parte da Solbravo S/A.

Com o reforço, a empresa está iniciando uma nova fase de pesquisa, mais desafiadora. De acordo com um dos sócios, Marcos Brehm, a ideia é deixar de utilizar células prontas e passar a fabricar e incorporar as fontes fotovoltaicas no próprio material que compõe a telha.

Na primeira fase do projeto, as pesquisas se concentraram no encapsulamento em resina da célula fotovoltaica. Os técnicos da Solbravo fizeram testes de eficiência e durabilidade.

“É um projeto desafiador, porque a tecnologia para a fabricação de células fotovoltaicas no Brasil ainda é pouco disseminada”, afirma Brehm.

Outra frente de estudos da Solbravo são as redes smart grids.

Trata-se de redes integradas, em que as residências que dispõem de painéis fotovoltaicos ligados a um inversor de frequência podem injetar a energia gerada na rede pública (permitindo, inclusive, que essas casas consumam menos energia do que geram).

Junto ao inversor, é instalado um cabo de rede para monitorar o quanto de energia está sendo gerado.