Borushek

Porto Alegre receberá ainda nesse ano uma incubadora independente de empresas.

Chamado de StartOcean, o projeto do ucraniano Igor Borushek visa a criar uma alternativa voltada para o mundo dos negócios, com capacitação de empreendedores e condições de obtenção de recursos, inclusive, do exterior.

Incubada livre
Borushek destaca a ponte com Estados Unidos e Europa como o principal diferencial da StartOcean para outras incubadoras da capital gaúcha e região, ligadas à universidades como PUCRS, Unisinos ou UFRGS.

“Hoje, essas incubadoras (em universidades) não têm foco específico nem ensinam a captar investimentos e obter sócios. Já a StartOcean terá esse foco. É um lugar para se aprender a fazer empreendedorismo”, explica Borushek.

Ucrânia-Nova York
Idealizador e principal encarregado pela iniciativa, Borushek já tem experiência com startups.

Tendo saído da Ucrânia ainda criança para Nova York, Igor cresceu nos Estados Unidos, visitando o pai, arquiteto de TI numa empresa em Manhattan, no trabalho. “Daí veio o gosto pela TI”, conta.

Na idade universitária, cursou o New York University - Stern School of Business, onde se concentrou em empreendedorismo e estratégia.

A prática veio com uma startup própria, uma empresa de consultoria e planejamento de eventos para restaurantes e casas noturnas, com foco em marketing digital.

Conforme o negócio crescia, Borushek foi aplicando o próprio dinheiro em outras startups nova-iorquinas. Hoje, Nova York é considerada o segundo maior polo tecnológico dos Estados Unidos, em função das startups de tecnologia existentes na área.

“Ao longo do tempo, desenvolvi contatos fortes na comunidade dos investidores através da  universidade e da empresa, bem como as redes de empreendedorismo nos Estados Unidos e na Ucrânia, que eu ainda mantenho até hoje”, explica.

Ponte para ter a grana
Ciente das dificuldades de obtenção de financiamento no Brasil, e da burocracia empresarial, ele diz que já “sabe o caminho”, mas que prefere não comentar ainda seu trunfo principal na StartOcean.

“O que posso dizer é que nosso trabalho também envolverá uma mudança de cultura, especialmente para divulgar o Brasil como fonte de inovação e possibilidade de investimentos”, conta Borushek.

Porto Alegre é demais
Nem data de estreia nem local estão definidos ainda. Uma casa perto do Shopping Iguatemi, e uma no bairro Bela Vista estão em estudo. Certo mesmo é que o projeto fica em Porto Alegre.

Fã declarado da capital, Borushek diz que tudo na cidade parece ser melhor do que ele conhece do Brasil – “talento técnico, qualidade de vida” – , menos o apoio a ideias inovadoras.

Antes de escolher a capital, Borusheck viajou por 12 meses pelo Brasil, passando por grandes centros urbanos como Rio de Janeiro e São Paulo, antes de escolher fincar o pé na capital gaúcha.

“Quando eu cheguei aqui (em Porto Alegre), eu vi pessoas com muitas ideias, mas a falta de apoio em como transformar essas ideias em realidade. Start Ocean será o lugar para fazer exatamente isso, e Porto Alegre é uma ótima casa para nós”, se declara o ucraniano.

Como se qualifica um empreendedor?
A largada da StartOcean será dada com o apoio de um investidor dos Estados Unidos. O valor do investimento e o nome do investidor, no entanto, não foram revelados por Borushek.

Coaching e treinamento serão os fortes da incubadora.

Segundo o empresário, tecnologias como a linguagem Ruby, serão ensinadas e incentivadas na incubadora, além de mante rum espaço de coworking e oferecer treinamento focado no empreendedorismo.

Por enquanto, porém, o empreendedor está recrutando os especialistas que irão auxiliar as equipes dos quatro primeiros projetos que darão a largada na StartOcean.

“Estou conversando com professores e profissionais”,  adianta Borushek.

Até agora, estão alistados na incubadora os projetos MyTraining (uma comunidade de fitness), TransporteBem (sistema de negociação com transportadoras), TrocarClub (clube de troca) e NotaParaProf (com avaliações de professores e instituições de ensino).

“Alguns projetos eram ideias minhas, que foram sendo implementadas por equipes que eu reuni. Será uma boa largada”, prevê o empreendedor.