Ademar Schardong

Marca geralmente vinculada ao campo e ao agronegócio, o Sicredi está investindo R$ 4 milhões em publicidade e na criação de uma nova diretoria para atrair o público, e os empresários, urbanos.

Com vídeos no horário nobre, a campanha publicitária, já milionária nos primeiros dois meses, começa a ser veiculada em horário nobre nessa quarta-feira, 23, nos 10 estados em que o grupo atua.

Ao longo de 2012, o banco também criará uma direção específica para micro, pequenas e médias empresas – as pessoas jurídicas cujo cujos faturamentos tenham sido de R$ 2,4 milhões a R$ 90 milhões no último exercício fiscal.

Atualmente, 300 mil associados se aproximam desse porte de negócios, correspondendo a 15% dos cooperativados. Além disso, maioria da base total de 1,9 milhão de associados está no interior.

“Hoje, 70% dos nossos negócios estão no campo e o restante na cidade. Queremos ter meio a meio até 2015”, diz Ademar Schardong, presidente executivo do Sicredi, sistema que hoje tem ativos totais de R$ 25,9 bilhões.

Rabobank ajuda
Graças à compra de 30% de participação acionária no Sicredi pelo holandês Rabobank, no ano passado,  o banco terá um maior know how e apoio para a nova linha.

O holandês terá participação como fonte de financiamento para as empresas, o que aumentará de US$ 100 milhões para US$ 500 milhões os créditos disponíveis.

Agronegócio, no entanto, segue sendo o carro-chefe em 2012.

“Vamos ter uma linha de financiamento para a agricultura empresarial e comércio exterior com aporte de US$ 800 milhões. Isso é 25% a mais do que já disponibilizamos hoje”, completa Schardong.

Hoje, o Rabobank é responsável por 84% do financiamento rural da Holanda.

A ideia é que a parceria resulte em maior assistência técnica no banco gaúcho, ampliando as opções de financiamento de longo prazo e as possibilidades de internacionalização, especialmente para o agronegócio do Rio Grande do Sul, mas outros setores também podem se beneficiar.

O Sicredi
No ranking das 500 maiores do Sul da Revista Amanhã, o Sicredi ocupa a 19ª posição, à frente das Lojas Renner (23º), da fabricante de computadores Positivo (33º) e do Grupo Tramontina (34º).

No ano passado, a receita bruta foi de R$ 3,08 bilhões, com lucro líquido de R$ 301,05 milhões.

Em 2011, o grupo chegará aos 2 milhões de sócios, projetando 3,2 milhões de associados para 2015. Há 12 anos, diz Schardong, a empresa cresce 20% ao ano, no mínimo, devendo chegar a 30% de crescimento médio nas suas operações em 2011, e previsão de 25% de alta no próximo ano.

Investimentos em TI
No ano passado, o Sicredi assinou um contrato de outsourcing de aplicativos de TI com Accenture e IBM. Em linhas gerais, o acordo de entrega dividiu meio a meio o desenvolvimento de sistemas: crédito e cartões para a Accenture e investimento e canais para a IBM.

Só o desenho da divisão das funções – que une duas ferozes concorrentes – tomou mais de 10 mil horas de trabalho das três organizações.

A previsão de investimento na área, no ano passado, era de R$ 100 milhões.