Os indicadores de propriedade intelectual fecham o ano com recorde de pedidos de marcas e patentes.

Muitos são de empresas estrangeiras, embora a crise econômica internacional tenha afetado países da Europa e Ásia, além dos Estados Unidos. De acordo com dados do INPI, até o momento foram registrados 30.617 pedidos de patentes e 143.435 de marcas.

Para o presidente do instituto, Jorge Ávila, o crescimento da indústria nacional e a imagem brasileira no exterior são dois fatores que favorecem o aumento do número de registros.

“Os brasileiros tiveram, este ano, a possibilidade de atuar de maneira mais ativa nos mercados mais intensivos em conhecimento. Então, há um interesse crescente dos brasileiros de participar de sistemas de inovação e registrar patentes e marcas”, avalia Ávila.

A expectativa é que os números do próximo ano superem os de 2011. Isto porque marcas e patentes estrangeiras têm prazo de 30 meses para ser aceitas.

O presidente estimou ainda que, até o dia 31, os pedidos de patentes cheguem a 35 mil e os de marcas, perto de 150 mil.

Para se registrar a patente de uma invenção, o processo no INPI dura mais de 4 anos. A concessão é por 20 anos e o inventor começa a pagar anuidades a partir do segundo ano.

No caso de modelo de utilidades, que é uma melhoria em produto já existente, a concessão é de 15 anos. Em qualquer fase do processo, se for encontrado produto semelhante inventado no Brasil ou no exterior, a concessão de patente é cancelada.