Com a meta de duplicar o número de empresa que investem em inovação nos próximos quatro anos, foi anunciada na semana passada a Sala de Inovação.

Trata-se de um núcleo que reúne quatro ministérios com o objetivo de facilitar os processos de investimento para iniciativas inovadoras no Brasil.

Atualmente, as empresas que investem em inovação são 30 mil, a intenção é chegar a 60 mil até 2014.

“A Sala facilitará a interlocução do governo com o setor privado na questão da inovação”, explicou Rafael Lucchesi, o diretor de Operações da Confederação Nacional da Indústria (CNI), uma das instituições parceiras.

Segundo Lucchesi, com a criação da Sala os empresários não precisarão mais percorrer vários organismos públicos para encaminhar  pedidos de financiamento, subvenção e incentivos fiscais envolvidos nos projetos de inovação.

Todos os pedidos e negociações serão feitos na Sala de Inovação, evitando-se superposições e encurtando-se prazos.

Representantes dos ministérios da Fazenda, Ciência e Tecnologia, Educação e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior se reunirão a cada 90 dias para avaliar as propostas encaminhadas pelas empresas.

Segundo o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, com a previsão de crescimento de 10% nos investimentos no país, o momento é ideal para o Brasil se preparar para uma política industrial, que privilegie a inovação.

Uma portaria com as regras da Sala de Inovação deve ser publicada nesta semana.