O Brasil responde por metade do lucro do banco espanhol Santander no mundo, cerca de R$ 6,6 bilhões dos R$ 12,3 obtidos em 2011, conforme a divulgação dos resultados financeiros do banco, nesta segunda-feira, 31.

De acordo com a Exame, o montante pode significar uma mudança de cenário no que tange os investimentos, dando ênfase para operações no Brasil e na América Latina, em vez dos Estados Unidos e da Europa.

“Sabíamos que o resultado seria esse, mas não nessa proporção, que significa mais investimento e atenção às operações brasileiras do banco”, afirma Erivento Rodrigues, presidente da Austin Rating, a Exame.

No mundo, o total de lucro líquido foi de € 5,3 bilhões, 35% menos do que em 2010.

Em todas as regiões em que atua o banco apresentou queda. Na América Latina, região onde ganhou € 4,6 bilhões, o resultado ficou 1,4% abaixo que o ano anterior. No Brasil, a queda foi de 6,2% na comparação anual

Para conter as quedas e melhorar as margens de lucro, o Santander tem como projeção cortar custos e despesas, o que inclui pessoas.

Ao todo, trabalham no Grupo Santander 193.349 pessoas, atendendo a mais de 102 milhões de clientes em 14.756 escritórios.

“Os números no Brasil são bons, mas ainda deixam o banco longe dos bons resultados do Itaú e Bradesco”, diz Rodrigues, que acredita que falta ao banco uma especialização para competir de igual com os concorrentes.

De acordo com a Exame, a operação brasileira deve trazer resultados melhores a partir do segundo semestre deste ano, quando a integração com o ABN Amro,comprado em outubro de 2007, deve ser concluída.