A Drogaria São Paulo e a Drogaria Pacheco, do Rio de Janeiro, fusionaram suas operações, em uma transação que gera a companhia DSP, com faturamento médio na casa dos R$ 4,4 bilhões por ano.

A nova empresa é, segundo divulgado pelas duas drogarias, a nova líder do varejo farmacêutico brasileiro.

O dado se baseia no faturamento de outras grandes drogarias, como a fusão Drogaraia-Drogasil, anunciada no mês passado, e que faturou cerca de R$ 4 bilhões no último ano.

Em comunicado enviado à imprensa, a DSP afirma que as marcas São Paulo e Pacheco serão mantidas nos cinco estados onde a varejista terá atuação: Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia.

As empresas terão gestão compartilhada entre os grupos Carvalho e Barata, que controlam as redes São Paulo e Pacheco, respectivamente.

De acordo com o comunicado, o presidente do conselho de administração será Samuel Barata, da Pacheco; enquanto Gilberto Ferreira, da São Paulo, será o presidente do grupo.

O negócio foi fechado por troca de ações e, depois de concluída a fusão, a expectativa é que as duas companhias anunciem uma operação de abertura de capital.

Segundo especulações divulgadas pela Istoé Online, a abertura colocaria o valor da rede fusionada entre R$ 3 bilhões e R$ 6 bilhões.