A Crivo finalizou 2008 com crescimento de quase 100% sobre 2007. A companhia, que tem mantido esta média de expansão nos últimos nove anos, alcançou faturamento de R$ 13,5 milhões, contra R$ 7,2 milhões registrados no ano anterior.

A empresa também aumentou sua carteira de clientes em 44%, com a entrada de 39 usuários corporativos, entre eles nomes como Royal & SunAlliance, Localiza, Tecnisa, Scania, Banco Safra, Moto Honda e Zurich Seguros. Hoje, a carteira da empresa conta com 115 empresas, no total.

"Com a má experiência norte-americana no subprime e a escassez de liquidez no país, os bancos não querem conceder crédito com alto risco e passaram a investir em sistemas automatizados de análise de crédito e risco", explica Rodrigo Del Claro, diretor de Relacionamento da Crivo. “Boa parte de nossa receita é proveniente dos contratos com bancos e financeiras”, complementa.

O comentário tem embasamento: no ano passado, o segmento financeiro respondeu por 42% do faturamento da Crivo. Em seguida vieram as seguradoras, com 27,5%, e as operadoras de telefonia celular, com 16,5%. O restante dos lucros veio de varejo, indústria e empresas de consórcios.

Perspectivas para 2009
Para este ano, a Crivo planeja aumentar sua participação no mercado varejista que, segundo projeções, deve responder por 10% da receita prevista.

Outra novidade da empresa é a entrada no segmento de pequenos e médios negócios, por meio de parceiros. “Este segmento gera volumes menores de operações, por isso a busca pelas alianças estratégicas”, detalha Del Claro.

A empresa
Sediada em São Paulo, a Crivo é especializada em software de automação para análise e decisão de crédito e risco. Com nove anos de atuação no mercado e crescimento de 100% ao ano, a empresa processou aproximadamente 200 milhões de operações em 2008.

No ano passado, a companhia reestruturou seu corpo gerencial, contratando cerca de 15 profissionais. Assim, dos três colaboradores que a Crivo possuía no início dos negócios, em 2000, hoje são 65 integrantes na equipe.