A IBM lança, por meio de sua divisão Lotus, novidades em software de colaboração para empresas participantes de redes sociais, como Facebook, Twitter e Linkedin.

A aposta da companhia se baseia em uma projeção de mercado, segundo a qual a venda desses softwares aumentará 33% em 2011, alcançando US$ 630 milhões - valor deve triplicar até 2014.

A IBM já contava com uma plataforma deste tipo de solução. Agora, incrementa a oferta com o software Customer Experience Suíte, que amplia a interação entre empresas e clientes.

Por exemplo: o usuário das redes sociais pode entrar em contato com as empresas participantes das comunidades e ter a resposta a suas solicitações em tempo real, sem ter de esperar o contato por e-mail.

Outra novidade é o Lotus Connections, que faz a interação interna: para exemplificar, se um representante de vendas quiser dar um desconto para um cliente, pode colocar uma mensagem no sistema como se fosse no Facebook e todos os funcionários envolvidos no processo terão acesso ao conteúdo em tempo real, podendo trocar mensagens entre si.

Conforme Sérgio Loza, gerente da divisão Lotus para a América Latina, as novas soluções criam uma rede que segue o princípio da computação em nuvem.

“A companhia que cria a rede desembolsa inicialmente de US$ 5 a US$ 10 por usuário interno, mas os convidados de fora não pagam nada por isso, pois são convidados dos funcionários de outro grupo”, explica Loza. “Teremos empresas de 100 mil funcionários participantes, mas também muitas pequenas e médias, que são o segmento que mais cresce no Brasil",  complementa.

Mobilidade atrelada
Para fomentar o crescimento da nova linha de software,a Big Blue também aposta na mobilidade.

Uma pesquisa divulgada há poucos dias pela própria IBM informa que, dentre 900 profissionais de TI entrevistados, dois terços acreditam que aplicativos para dispositivos como iPhone, Android e até mesmo tablets como o iPad, ultrapassarão o desenvolvimento de todas as outras plataformas de computação até 2015.

O estudo também aponta que as estimativas de faturamento do setor são superiores a US$ 6,2 bilhões em 2011, devendo chegar a quase US$ 30 bilhões até 2013.

“Com a adoção da computação em nuvem, todos os dispositivos móveis e tablets podem acessar nosso software de colaboração e interagir da mesma forma, incluindo teleconferências, compartilhamento de vídeos e documentos em tempo real”, aposta Loza.