A Leroy Merlin, rede de varejo de construção presente no Rio Grande do Sul, Paraná, Goiás, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal, investiu em terminais portáteis de rádio-frequência para administrar uma rede de home centers composta por 20 lojas.

Com a solução, a companhia administra auditorias diárias de preços dos cerca de 65 mil itens vendidos em cada loja, além de realizar a emissão de etiquetas de preço, entre outras atividades.

E, no projeto, quem assume a demanda de aplicações necessárias é a Sonda Procwork, com quem a Leroy mantém um contrato de terceirização de desenvolvimento desde 2009.

Para dar conta da demanda, a Sonda instalou um Núcleo de Serviços, que conta com 25 profissionais, na central administrativa da Leroy Merlin.

A equipe atua não só no desenvolvimento de soluções necessárias para este projeto, mas também para outras ações, atendendo a toda a rede de home centers da varejista.

Conforme o diretor de TI da Leroy Merlin, Anderson Cunha, a terceirização auxiliou, especialmente neste projeto de soluções de rádio-frequencia, a focar uma das principais diretrizes da empresa: manter 100% dos preços atualizados.

“Diariamente, os valores sofrem alterações devido a fatores como concorrência, estratégia comercial e mudança nas alíquotas de impostos, como a redução do IPI para material de construção”, explica ele. “Todos os dias cada gerente de setor tem de emitir etiquetas de preço dos produtos sob sua responsabilidade e fazer a troca das mesmas nas respectivas sessões”, completa.

O diretor esclarece que, com o uso dos dispositivos de rádio-frequência, o colaborador aproxima o terminal do código de barras, ou 2D, contido na etiqueta fixada nas prateleiras, e o sistema faz a comparação dos valores automaticamente.

“Caso haja alguma divergência, uma nova etiqueta é emitida”, detalha Cunha.

Além de otimizar o tempo de conferência, o processo automatizado reduz a emissão desnecessária de etiquetas, pois nem todos os produtos sofrem alterações diárias.

Isso também traz redução de custos, já que não há mais desperdício de papel.

Outro ganho é o controle sobre o estoque.

“Os dispositivos permitem ao gestor de cada sessão apontar os produtos que estejam faltando nas prateleiras, o que garante a diminuição de compras erradas e perdas de mercadoria, assim como aumenta a disponibilidade de itens para o cliente”, ressalta Cunha.

Agora, a Leroy Merlin já planeja outras duas iniciativas relativas aos equipamentos.

Um dos projetos é o “papa fila”, no qual o dispositivo móvel escaneia os itens contidos nos carrinhos dos clientes para agilizar o pagamento nos caixas.

Outra iniciativa prevista é a ampliação do drive thru, serviço já disponível nas lojas do Morumbi e Marginal Tietê, em São Paulo; e Contagem, em Minas Gerais.

“O cliente não precisa entrar na loja para realizar suas compras. Tudo é feito através do terminal, diretamente no setor de retirada de mercadorias”, salienta Cunha.

Para o diretor de TI, os ganhos com a terceirização da área de desenvolvimento da Sonda Procwork é um dos principais pontos do projeto.

“Obtivemos, com este contrato, a facilidade de aprimorar nossos processos com liberdade, criando novos projetos que apoiam a rotina”, afirma ele. “Antes, isso era limitado por conta do uso específico do ERP utilizado pela corporação”, complementa.

Já Ricardo Barone, diretor sênior da Sonda Procwork, destaca a estratégia de terceirização de desenvolvimento da Leroy Merlin como um case deste modelo de negócios.

“O processo auxilia as empresas de setores dinâmicos, como é o caso do segmento varejista, a inovarem seu dia a dia e atender não só à demanda da organização, mas também dos clientes”, conclui Barone.

Além das ações mais recentes, o contrato da Leroy com a Sonda inclui a integração entre os processos da matriz francesa com o Brasil, bem como o desenvolvimento de aplicativos para demandas locais das mais diversas e suporte.

Rede bilionária

A Leroy Merlin está no Brasil desde 1997.

No mundo, a companhia mantém unidades na Espanha, Polônia, Itália, Grécia, Rússia, China e Portugal.

A marca faz parte de um grupo que abrange empresas de vários segmentos de comércio, como construção civil, supermercados, restaurantes, vestuário, brinquedos e móveis.

Ao todo, são 309 lojas no mundo, empregando uma equipe de mais de 36 mil funcionários e contabilizando faturamento de aproximadamente € 6,6 bilhões.