Douglas Tesavento e Mauro Bellini

Tamanho da fonte: -A+A

Um grupo de empresários brasileiros, agregados em torno da comunidade ScadaBR, quer levar o modelo de negócios open source para o setor de software para automação de processos industriais.

A difícil tarefa - sistemas de automação são complexos, atrelados a processos críticos envolvendo muitas vezes segredo industrial e vendidos na maioria das vezes embarcados em máquinas por distribuidores resistentes a mudar seu modelo de negócio - está sendo levada a cabo no Sul pela catarinense MCA Sistemas.

Fundada por dois engenheiros de automação da UFSC e incubada no Midi Tecnológico em Florianópolis, a empresa já tem projetos em andamento na Eletrosul e na secretaria de Saúde da capital catarinense, onde um software seu gerencia as condições de temperatura das salas onde são estocadas vacinas.

“Nós temos produtos e estamos prontos para colocar eles no mercado”, garante Douglas Tesavento, um dos sócios da MCA. O empresário destaca a seriedade do ScadaBR, que tem 50 desenvolvedores envolvidos e recebeu um aporte de R$ 150 mil da Finep.

A ScadaBR trabalha adaptando para o mercado nacional código desenvolvido na Espanha e no Canadá, onde o uso de open source na área de automação está mais adiantada.

“Precisamos convencer os distribuidores os clientes na ponta das vantagens de usar sistemas abertos, tanto em segurança quanto em custo”, planeja Tesavento, que esteve em Porto Alegre visitando potenciais empresas que distribuem máquinas de automação industrial junto com Mauro Bellini, executivo gaúcho experiente na área que fará a representação da MCA no estado.

Em paralelo, Tesavento pretende que o Senai inclua as soluções desenvolvidas pela ScadaBR na grade de cursos, como forma de fomentar a formação de mão de obra. “O modelo de negócios open source funciona em muitas áreas e automação pode ser uma delas”, resume Bellini.