O ex-presidente  Luiz Inácio Lula da Silva evitou polêmicas com a Microsoft em sua primeira aparição como palestrante internacional  durante o Fórum de Líderes do Setor Público patrocinado pela multinacional nesta quarta-feira, 06.

De acordo com relatos da imprensa, Lula sequer mencionou o assunto software, preferindo ressaltar as conquistas do governo petita na área.

“Eu e o José Alencar fomos os primeiros presidente e vice-presidente do Brasil sem diploma universitário, mas fomos os que mais criaram universidades no País", disse o ex-presidente, segundo informa a correspondente do Terra em matéria disponível pelo link relacionado abaixo.

Havia expectativa no meio do movimento do software livre para conhecer o teor do pronunciamento do ex-presidente, que em diversas ocasiões manifestou apoio a implementação de open source no governo.

Numa das mais explícitas, durante participação no Fisl, em 2009, Lula fez críticas duras à Microsoft.
 
"Ou íamos para a cozinha preparar o prato que queríamos comer, com os temperos que queríamos colocar, ou íamos comer aquilo que a Microsoft queria vender para a gente'', disse Lula, aplaudido entusiasticamente pela plateia.

Lula não revela quanto recebeu para fazer a palestra no evento da Microsoft.

Um político brasileiro que participou de uma edição do fórum, anos atrás, estimou para a Folha que o cachê de Lula seria de US$ 100 mil.
 
Esnobada
Em 2005, quando participava do Fórum de Davos, Lula se recusou a receber o então presidente da Microsoft, Bill Gates.
 
Oficialmente, o governo informou a Gates que Lula não podia recebê-lo devido a uma agenda bastante apertada, com vários encontros bilaterais com outros chefes de estado.
 
Jornais disseram na época, Lula não considerava o propósito da reunião "adequado" e o Itamaraty considerou que Gates deveria vir ao Brasil para ter uma audiência com o presidente.