O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) vai trocar todos seus sistemas legados por uma plataforma de core banking e back office da SAP.

Ganho pela Stefanini em uma disputa que também envolveu a Totvs, o contrato terá duração de dois  anos e meio, envolverá 30 profissionais da consultoria e 50 do banco, e tem um valor total de R$ 33,5 milhões.

O gasto ficou um pouco abaixo dos R$ 34,9 milhões previstos no edital, divulgado em fevereiro.

O projeto, batizado de Moderniza, foi planejado com apoio da gaúcha MBS Consulting por R$ 3 milhões.

“Com os sistemas antigos nós enfrentamos dificuldades de integração e de uso da informação. São aplicações que estão esgotadas”, afirma Anderson José Amâncio, executivo responsável pelo Moderniza no BRDE.

Amâncio está há cinco anos no banco e foi escolhido para assumir o projeto pela sua experiência prévia na implementação de sistemas de gestão nas prefeituras de Curitiba, São Paulo e Fortaleza como sócio do IEEG Instituto de Estudos Estratégicos em Gestão.

De acordo com o executivo, a expectativa do banco é agilizar o back office como um todo, além de disponibilizar para os clientes empresariais do BRDE funcionalidades similares às dos Internet Banking das instituições mais focadas em varejo.

Administrado em conjunto pelos governos do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul, o BRDE fechou 2010 com 35 mil clientes ativos e 550 funcionários.

A instituição fez R$ 2,2 bilhões em empréstimos no ano passado, a grande maioria para pequenas e médias empresas e aos mini e pequenos produtores rurais.