Luis Carlos Alberti

A Lojas Colombo deu a largada no processo de implantação do ERP Microsoft Dynamics Ax. O projeto, que terá consultoria da MSBS Tridea, não marca só a entrada de um novo software de gestão na empresa, mas o início de uma nova cultura na área de TI.

Até agora, o sistema de gestão utilizado pela rede varejista era feito em casa, assim como diversas outras ferramentas de TI. A adoção da ferramenta terceirizada dá início a um movimento de encerramento da equipe de desenvolvedores da Colombo.

Em breve, a TI da empresa gaúcha terá somente uma equipe de análise. O que não significa demissões: segundo o gerente de Informática da rede, Luis Carlos Alberti, os cerca de 20 profissionais atuais serão redistribuídos, tanto no departamento de tecnologia como em outras áreas que requeiram funções dedicadas, como a logística, por exemplo.

Uma mudança cultural que, conforme o gestor de TI, trará novidades até mesmo ao tratamento do que se pode chamar de SLAs internos.
 
“Há décadas atuamos com desenvolvimento próprio. A empresa está acostumada a pedir e receber na hora, no modelo feito em casa. Agora, este padrão está mudando. Começamos pelo ERP, e, dentro do prazo de implantação deste, também pretendemos adotar uma nova ferramenta para PDV e frente de loja”, comenta Alberti.

O prazo de go live do Dynamics Ax é de 12 meses a partir de setembro último, quando iniciou a implementação. O ERP terá prioridade em relação aos sistemas de loja, que também deverão ser da Microsoft, mas a meta é que tudo possa entrar em funcionamento ao menos em prazos próximos.

No caso do software de gestão, serão cerca de 30 profissionais da Colombo – entre as áreas de TI e negócios -, além de aproximadamente 18 da MSBS Tridea, envolvidos no projeto.

Ao final, a implementação terá impacto sobre cerca de 700 estações de trabalho, além dos servidores utilizados pela rede varejista (duas máquinas HP, cujo volume de dados armazenados chega a 2,5 TB).

Outro projeto que deverá coincidir com o go live do novo ERP será a adoção de um novo BI.

“Hoje, temos o Microstrategy, que praticamente não utilizamos. Substituiremos pelo QlikView”, afirma Alberti.

Conforme o gerente de Informática, os novos sistemas suprirão carências da Colombo especialmente no que diz respeito ao cumprimento de obrigações legais, como as estipuladas pelo fisco e normas contábeis (NF-e e SPED, entre outras).

Um movimento que tornará mais fácil a administração das 300 lojas e três Centros de Distribuição (CDs) da rede sediada em Farroupilha, onde também fica o time de TI.

Para dar suporte a todas as inovações na tecnologia da informação da Colombo, a rede, que anualmente destina cerca de 1,5% de seu faturamento ao setor, também vai investir em pelo menos dois novos servidores e storage.

“Estamos estudando este projeto, ainda não iniciamos a busca por fornecedores”, esclarece Alberti.

Fora isso, em  2011cerca de 20% do parque tecnológico da empresa - o que contempla desktops, monitores e servidores de loja, basicamente - deve ser renovado, a exemplo do que acontece todos os anos. Neste, por exemplo, quase 100% dos monitores da rede foram substituídos, agregando tecnologia LCD.