A DBServer, empresa gaúcha especializada em desenvolvimento e teste de software, deve fechar 2012 faturando algo em torno de R$ 13 milhões.

 
O resultado representará a volta por cima da companhia, que terá recuperado os níveis de faturamento obtidos no final de 2008, antes da redução dos contratos junto à HP e Tlantic.
 
Quando decidiram internalizar grande parte do desenvolvimento de software que antes terceirizado, as multinacionais instaladas no Tecnopuc respondiam sozinhas por mais de 30% da receita da DBServer.
 
A recuperação foi paulatina, baseada em um ritmo de crescimento anual médio de 30%, com R$ 9 milhões no final de 2010 e R$ 11 milhões previstos para o final desde ano.
 
Em vias de se recuperar totalmente no aspecto financeiro, a DBServer é hoje uma empresa mais saudável do ponto de vista de gestão, com um faturamento distribuído mais equitativamente entre os clientes, que incluem Lojas Renner e Zaffari.
 
Uma unidade aberta em Caxias do Sul há 1,5 ano já fechou contratos com Randon Consórcios, Metadados, Dakota e Procad.
 
A demanda por profissionais, principalmente na área de testes, levou a companhia a fechar um programa de capacitação para 30 pessoas junto ao Centro de Inovação da Microsoft na PUC-RS, para o qual se apresentaram cerca de 700 candidatos.
 
“Peneiramos 80 e desses 30 fizeram o curso de 16 horas voltado para apresentar o funcionamento da área de testes”, revela Mário Bastos, um dos sócios da DBServer. Os 30 profissionais devem ser contratados, aumentando o número de colaboradores para 160.
 
Estratégias ousadas para captar novos talentos são a regra na DBServer, que instituiu um programa de indicação premiada entre seus funcionários, dando prêmios em dinheiro para colaboradores cujas indicações acabassem sendo contratadas pela empresa.
 
“Em alguns casos, funcionários chegaram a dobrar o salário com as indicações”, garante Tatiana Ximenes, responsável pela área de Marketing da DBServer.
 
Agilidade
Outra iniciativa da DBServer junto à PUC-RS é a participação em um laboratório destinado a pesquisar melhores práticas para desenvolvimento ágil de software.
 
Uma equipe da empresa vai desenvolver um projeto interno no laboratório, permitindo a pesquisadores  da universidade averiguar qual é a melhor maneira de organizar o trabalho de equipes que trabalham com o método.
 
A DBServer desenvolve software com uma combinação de metodologia ágil de software e processos estruturados. A empresa é CMMI nível 2.