O multinacional Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (BBVA) adotou a plataforma Google Apps para serviços de e-mail e colaboração.

A implementação, que abrangerá 110 mil funcionários da instituição ao redor do mundo, deverá ser concluída ainda em 2012.

O lançamento será na base do banco, na Espanha, onde a empresa tem 35 mil funcionários, e vai se expandir para mais de 26 países.

Gmail, Calendar, Sites, Docs e Talk, bem como uma variedade de recursos de segurança e de gestão de TI, fazem parte do pacote contratado.

Não foram esclarecidos que sistemas serão substituídos e quanto custará a implementação.

Cinto apertado
Em 2011, o BBVA teve uma redução de € 1 bilhão no seu lucro líquido em função da crise nos Estados Unidos, onde o banco fechou o ano no vermelho.

O BBVA também foi colocado, ao lado de outas grandes instituições financeiras europeias, “à beira do precipício”, por especialistas mais críticos da economia capitalista.

De 2007 a 2010, ele recebeu US$ 8 bilhões do FED, ao lado do Santander, para manter a liquidez.

Baratear os custos com TI pode ser uma forma de lidar com a crise.

No seu site oficial, o Google Apps diz que pode sair de 50% a 70% mais barato em grandes implementações – com mais de 3 mil colaboradores – comparado à concorrência.

Ganhando espaço
Para o Google, o contrato é uma conquista. Como relembra o site IDG Now, a empresa trava uma batalha por mercado contra a Microsoft e seus softwares mais tradicionais – como Outlook, Exchange e o SharePoint.

A chegada do Google na nuvem levou a Microsoft a lançar o BPOS e o Office 365, produtos que hoje concorrem acirradamente, à medida em que a nuvem ganha simpatia nas empresas.

Além disso, o acordo com o BBVA é significativo para o Google porque o cliente é um banco grande, multinacional, e com rigorosos requisitos de segurança de dados.

Pesquisa da Forrester Research indica que o mercado de cloud computing passará de US$ 40,7 bilhões, em 2011, para US$ 241 bilhões em 2020.