Leonel Oliveira, country manager da Riverbed no Brasil

A californiana Riverbed, especializada em aceleração de WAN com 43% de market share mundial, firmou uma aliança com a Akamai, que irá usar com exclusividade as soluções da parceira na oferta de serviços de otimização de ambientes em nuvem.

Acordo que pode ampliar em muito a fatia de mercado da Riverbed, já que, atualmente, um terço do tráfego mundial de Internet passa pela rede da Akamai, que detém 90 mil servidores em nuvem.

“Desenvolveremos uma solução conjunta que chega ao mercado em janeiro de 2012, mas já prevemos o quanto isso nos trará de crescimento”, afirma Leonel Oliveira, country manager da Riverbed no Brasil.

Inclusive, segundo o executivo, clientes da Akamai que hoje usam outro fornecedor de aceleração WAN deverão migrar para a plataforma conjunta.

"Isso devido à facilidade gerada pela cloud e da anulação ou minimização extrema da latência na disponibilidade de aplicações”, ressalta o CM, referindo-se a uma carteira que hoje conta com nomes como Adobe, EMC, Fox Interactive, MTV Networks e USA Today, entre outros do mesmo calibre.

A tal “facilidade da cloud” já demonstra seus resultados na carteira da Akamai: a plataforma de otimização distribuída nuvem da companhia concentra, hoje, cerca de 1 mil redes em 72 países.

Já para exemplificar a redução de latência, a Riverbed destaca cases de setores como bens de consumo, aeroespacial, automobilística, de máquinas ou empresas de manufatura que usam soluções de CAD/CAM e PLM.

Tais aplicativos exigem o compartilhamento e transmissão de arquivos muito grandes, simulações de modelos sólidos e outros dados que podem ter centenas de megabytes ou até gigabytes.

Nestes casos, ressalta Oliveira, o desenvolvimento, design e manufatura não são mais um negócio local, mas realizado em locais distantes milhares de quilômetros.

“A latência para locais remotos a essa distância pode facilmente ser de centenas de milissegundos, e, se forem usados links de satélite, pode ser próxima a um segundo”, destaca ele. “Esse fator, combinado com a baixa largura de banda e links de WAN muito caros, resulta em um throughput terrível”, comenta.

Segundo o executivo, as ferramentas da companhia permitem a colaboradores dispersos acessar documentos de projeto como se estivessem conectados em uma LAN, encurtando o ciclo de desenvolvimento dos fabricantes que, em vez de esperar que um processo de FTP de 12 horas seja concluído, podem ter acesso imediato a arquivos, servidores e aplicativos do outro lado do mundo.

Dessa forma, ainda conforme o executivo, os usuários podem também ter certeza de que estão usando a versão mais recente de um arquivo de design e evitar problemas de versão que ocorrem quando os arquivos são enviados de um lado para outro com “grandes atrasos”.

O acordo com a Akamai promete render frutos no ano que vem. Já para este, a previsão da Riverbed é crescer de 40% a 50% mundialmente e de 30% a 40% só no Brasil.

No país, que foi a subsidiária da companhia que mais vendeu em todo o mundo em 2010, a empresa mantém cerca de 70 canais credenciados.

Sul

No Sul, um dos nomes é a Tecchannel, de Porto Alegre, que auxilia no atendimento a clientes como Zaffari, Paquetá, AGCO e Vonpar, entre outros.

"A região é um mercado muito importante para nós, especialmente porque as empresas têm um entendimento muito forte, muito crítico, da importância do fator qualidade em tecnologia", destaca Oliveira. "E ter canais locais, especialmente em um mercado exigente como este, é fundamental", finaliza.

Parceiraça!
Com sede nos EUA, a Akamai oferece serviços em nuvem para otimização de conteúdo e aplicativos móveis e web, vídeo online em alta definição (HD) e comércio eletrônico seguro.

A companhia, que fechou 2010 com receita de US$ 1,02 bilhão, crescimento de 19% sobre 2009, emprega dois mil colaboradores.

* O Baguete Diário cobre a BITS 2010 com patrocínio da HervalTech - HP e TI Works e apoio da Radioativa Produtora, Unirede e Softsul.