O Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) vai investir R$ 25,5 milhões na segunda fase do projeto Giga, que compreende a implantação de uma rede ótica experimental para desenvolvimento de aplicações e serviços de telecomunicações nas áreas de IP e banda larga.

Os recursos são provenientes da Finep e fazem parte de um programa de não reembolsáveis que acaba de ser aprovado pela financiadora, no valor total de R$ 34,8 milhões.

Criado em 1976 como Centro de P&D da Telebrás, estatal que detinha o monopólio dos serviços públicos de telecomunicações no Brasil, o CPqD é hoje uma fundação de direito privado, resultado da privatização da Telebrás em 1998.

Já a rede Giga é mantida desde 2003 em parceria com a RNP (Rede Nacional de Pesquisa), envolvendo investimentos totais de R$ 84 milhões. A estrutura interliga cerca de 20 instituições de ensino e pesquisa nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

As tecnologias desenvolvidas no projeto são repassadas a operadoras e empresas nacionais interessadas. Segundo o CPqD, seu programa de P&D é o maior da América Latina em Telecom, gerando soluções hoje utilizadas em setores como financeiro, industrial, corporativo, administração pública e energia elétrica.