A SoftDesign, porto-alegrense especializada em fábrica de software e outsourcing nas tecnologias Java e .Net, é a mais nova parceira da mineira Powerlogic no Sul do país.

Com o acordo, a perspectiva da companhia gaúcha é obter em torno de 5% do faturamento com vendas de licenças e serviços da nova aliada ainda em 2009, conquistando pelo menos um cliente de grande porte.

“A partir desta parceria, passamos a oferecer, além da linha de produtos jALM ((Application Lifecycle Managment - Java EE Open-Source), serviços de mentoring, treinamento e fábrica de software nestas ferramentas”, conta Osmar Pedrozo, diretor da companhia porto-alegrense que este ano projeta, no geral, um crescimento de 20%.

Conforme ele, a decisão de representar a Powerlogic deu continuidade a um projeto voltado à ampliação do uso do software open source no desenvolvimento de aplicações corporativas.

Ideia já posta em andamento pela companhia: em 2006, a SoftDesign foi responsável pela substituição da ferramenta paga de desenvolvimento Java da Procergs pelo Eclipse e seus plugins, o que, segundo Pedrozo, resultou em “grande economia” para a estatal.

Ainda de acordo com o diretor executivo, a nova parceria deverá impulsionar a atuação da empresa não apenas no segmento público, mas também no privado. Atualmente, a organização gaúcha, que também mantém escritório em São Paulo, atende a nomes como Corsan, Fundação Médica do Rio Grande do Sul, Hoepers, PT Inovação Brasil (do grupo Portugal Telecom), Fundação Carlos Chagas, CNP Engenharia e Investflex.

Com uma equipe formada por aproximadamente 60 colaboradores, sendo 50 da área técnica, a SoftDesign tem como carro-chefe do portfólio o desenvolvimento de sistemas no modelo de fábrica de software.

Alocação de consultores no formato de outsourcing (local e remoto), bem como mentoring para ambientes de desenvolvimento de sistemas, também estão no foco da empresa.

“Também temos soluções próprias, oferecidas aos clientes no formato de SAAS, para controle de atividades e gerenciamento de equipes, aplicação para provas em ambiente web e software de criação e aplicação de pesquisas”, destaca Pedrozo.

A empresa também investe pesado em qualificação dos colaboradores.

“Esta diretriz estratégica nos fez atingir mais de 50% de técnicos certificados em Java, .Net e Oracle, além de somar mais de 60 horas de treinamento formal, por profissional, em 2008”, destaca o diretor executivo. “Em 2009, já ultrapassamos esta marca no treinamento. Quanto à qualificação da empresa, estamos na etapa final da avaliação de nossos processos no nível G do MPS.Br”, finaliza.