É da NeoGrid a tecnologia que o Carrefour está usando no primeiro projeto brasileiro de integração à rede de sincronização de dados global (GDSN, na sigla em inglês) da GS1.

 
O projeto da segunda maior rede varejista brasileira, com receita de R$ 29 bilhões em 2010, foi revelado pelo Baguete Diário na quarta-feira, 09.
 
A participação da companhia catarinense especializada em supply chain se dá através de um acordo exclusivo com o 1SYNC, braço do GS1 dedicado ao tema de GDSN. A ferramenta já é usada por 5 mil empresas em 43 países.
 
O GDSN permite que mudanças nos dados registrados nos códigos de barras dos fabricantes sejam automaticamente alterados nas bases de dados dos varejistas.
 
“Levantamentos da GS1 apontam que alguns varejistas tinham divergências de até 80% em comparação com as  bases de dados dos fabricantes”, aponta Flávia Ponte Costa, analista de negócio da GS1 Brasil.
 
Entre os benefícios da adoção do GDSN estão a maior disponibilidade de produtos em gôndola, maior eficiência na gestão de itens e pedidos, redução da ruptura e redução de custos operacionais. 
 
“No Brasil, os problemas decorrentes da falta de atualização e acuracidade dos dados entre indústria e varejo ainda são muito freqüentes, ocasionando altos índices de ruptura de gôndola e de estoques”, avalia Sven Imfeld, gerente de produtos da NeoGrid.
 
Um estudo da Accenture sobre os resultados dos primeiros fabricantes a adotar o GDSN, feito em 2006, apontou casos como o de uma companhia que conseguiu reduzir o tempo dedicado a enviar atualizações de planilhas para seus distribuidores de cinco a seis dias para 48h, gerando uma economia anual de US$ 1 milhão.
 
Mais clientes
Outras redes varejistas devem iniciar projetos do gênero este ano no Brasil, revela nota da NeoGrid enviada ao Baguete. 
 
A empresa integra 200 mil empresas a uma malha de clientes que inclui sete das 10 maiores redes varejistas do mundo, dentre elas Carrefour, Casino, Marks & Spencer e Walgreens.