O presidente do Serpro, Marcos Mazoni, deu um recado explícito à Oracle nessa quinta-feira, 14, ao falar no 1º Fórum de Governo, promovido pela própria empresa.

Segundo o site Convergência Digital, o temor é de uma mudança de modelo no desenvolvimento de algumas ferramentas, especialmente  Java e MySQL, ambas desenvolvidas pela Sun – comprada pela Oracle em abril de 2009 por US$ 7,4 bilhões.

Um dos temores é de monopolização das populares tecnologias surgidas na década de 1990.

“Há uma preocupação quanto a se nós devemos continuar investindo nessa ferramenta (Java). Se ela continuará tendo investimento que a Sun fazia e que, vocês me perdoem a sinceridade, a Oracle não vem fazendo”, disse Mazoni, conforme registrado pelo Convergência Digital.

Um dos principais frameworks do governo federal, o Demoiselle, é baseado em Java.

Ele é a ferramenta base de desenvolvimento por todas as empresas que fornecerem software à administração pública, visando a padronizar as soluções tecnológicas do governo, a fim de garantir interoperabilidade e geração de software livre.

A principal preocupação da administração pública é que o Java e o MySQL se tornem dependentes tecnológicos de novas soluções proprietárias.

“A minha expectativa é de que se retome esses relacionamentos de comunidade, de ferramentas que são abertas, e que vocês (Oracle) ganhem os seus negócios pela qualidade do produto, e não pela impossibilidade de liberdade, que é o que a gente mais briga no mundo do software livre”, diz Mazoni.

Hoje, segundo o Comitê Técnico de Implementação do Software Livre (CISL), sistemas de informação e serviços de correio eletrônico são as áreas que mais utilizam SL significativamente.

O levantamento indica também uso relevante em servidores, especialmente em universidades.

Acesse a matéria do Convergência Digital nos links relacionados abaixo.