O presidente da MV, Paulo Magnus

O ERP para saúde da porto-alegrense MV acaba de entrar em funcionamento, simultaneamente, em 17 hospitais públicos do Tocantins.

O projeto, que permitiu integrar as informações de todos os setores das instituições administradas no estado pela Organização Social Pró-Saúde, foi concluído em três meses e é pioneiro no país, segundo o secretário estadual de Saúde, Arnaldo Nunes.

“É a primeira vez que 17 hospitais passam a operar simultaneamente numa nova plataforma de gestão”, afirma o secretário. “O sistema permite ver a situação de cada hospital, leitos disponíveis, entre outros dados que melhoram o gerenciamento mesmo à distância”, completa.

Jpa Robson Catão, diretor corporativo Comercial da MV, conta que participaram consultores da MV, gestores da Pró-Saúde e colaboradores dos hospitais, além de consultoria e planejamento da Confederação das Misericórdias do Brasil (CMB).

"A partir da solução, painéis serão enviados ao secretário e ao governador, Siqueira Campos, com indicadores referentes às áreas de atendimento das instituições, incluindo pronto-socorro, internação, ambulatório, laboratório e diagnóstico por imagem", ressalta Catão.

O ERP também permite o controle do estoque das farmácias e almoxarifados.

“Em uma segunda fase do projeto implementaremos a prescrição eletrônica nas UTIs”, ressalta a diretora regional da MV, Louise Lyra

Força na saúde pública
A MV já tem um histórico de projetos em massa para a saúde pública: em 2009, por exemplo, realizou a informatização de dez hospitais filantrópicos do Espírito Santo.

Um projeto semelhante também foi assinado pelos gaúchos no estado de São Paulo, onde o governo investiu R$ 2,4 milhões na compra de 80 licenças de uso dos softwares MV2000i, MV Portal e MV Custos para diversos hospitais.

Com iniciativas como estas, além do atendimento a diversas instituições de saúde do setor privado, a MV já acumula mais de 500 clientes no

Brasil e no exterior, o que traduzido em usuários passa dos 200 mil profissionais e totaliza um grupo que passa dos R$ 10 bilhões em faturamento/ano.

Sólida
A companhia, que segundo o presidente, Paulo Magnus, é a sexta maior de software do país, fechou 2010 com crescimento de 20% sobre os cerca de R$ 70 milhões obtidos em 2009.

Para este ano, a meta é incrementar os ganhos em 50%.

Além da sede em Porto Alegre, a MV mantém fábricas de software em Passo Fundo e Recife, além de unidades em Belo Horizonte, Fortaleza, Vitória, Rio de Janeiro e São Paulo.

Portfólio incrementado
Para impulsionar sua estratégia de crescimento, a MV aposta principalmente no desenvolvimento de novas soluções.

Um exemplo é o Soul MV, ferramenta para a área médica 100% web que resultou de R$ 20 milhões em investimento e dois anos de desenvolvimento, envolvendo trabalho de 200 pessoas, entre elas especialistas de Portugal e Inglaterra.

Além disso, este ano a companhia promoveu um lançamento conjunto com a Honeywell, homologando um dos PDAs da divisão Honeywell Scanning & Mobility, o Dolphin 9700hc.

O equipamento, projetado especificamente para a área de saúde, é componente de uma solução da MV destinada à administração de medicamentos em clínicas e hospitais e automatiza prescrições, eliminando margens de erro.

O portfólio da empresa gaúcha se completa com soluções como o Sistema de Orçamento, Prontuário Eletrônico do Paciente, MV2000i, MV Portal e MV Custos, além do Sistema de Classificação de Risco, certificado para o uso do Protocolo de Manchester.

O protocolo ordena o atendimento dos pacientes nos prontos-socorros de acordo com o quadro de saúde de cada um e o Sistema de Gestão de Fluxo, para gestão do atendimento de pacientes.