Rodrigo Oliva

Tamanho da fonte: -A+A

A espanhola Inbenta, especialista em sistemas em aplicações de inteligência artificial para processamento de linguagem natural, está dando seus primeiros passos no Brasil.

Sediada em Barcelona, a empresa acaba de abrir sua sede brasileira em Porto Alegre e uma filial em São Paulo, dentro de uma holding da qual participam também Rodrigo Oliva e Cristiano Kruel, sócios da gaúcha Síncrono.

A tecnologia da Inbenta permite que internautas façam perguntas e obtenham respostas em sites de e-commerce, sem necessidade usar chaves de busca. É o que já acontece no site das Lojas Renner, até agora o primeiro cliente no Brasil.

“É uma abordagem de conversa, muito mais próximo do consumidor do que os portais oferecem hoje”, acredita Oliva, destacando o apelo que uma tecnologia de pesquisa mais fácil pode ter para o público de classe C, menos familiarizado com a Internet.

O comércio eletrônico no Brasil deve chegar a R$ 15 bilhões em 2010, um aumento de 30 vezes em 10 anos. Grande parte (61%) ainda fica em mãos de consumidores de classe AB, mas a classe C representa 35%.

O diretor da Inbenta, Jordi Torras, que esteve no Brasil participando de reuniões com clientes, cita como outro exemplo do uso da tecnologia o sistema de vendas online da Ibéria, na qual os clientes podem comprar passagens interagindo com um atendente robô capaz de responder perguntas, em vez de preencher campos em formulários.

Nomes grandes não são novidade para a Ibenta, que atende cerca de 60% das empresas listadas no Ibex-35, que agrupa as 35 maiores companhias listadas na Bolsa de Valores de Madri.

“Para cada uma delas, temos uma base de termos específicos do mercado, agregada a base comum”, adianta Torras, destacando que a base é acessada por cloud computing, o que garante atualização constante.

Segundo Torres que o cliente típico são empresas com grande interação com os clientes, como telefonia, aviação e call centers em geral. Uma das aplicações mais recentes é a análise de comentários em mídia social.

Um estudo realizado pela E-Consulting, em parceria com o Grupo Padrão, mostra que o mercado de contact center movimentou R$ 23 bilhões no país no ano passado, sendo R$ 8,7 bilhões só com operações terceirizadas. Em 2010, a  expectativa é chegar a R$ 26 bilhões.

De acordo com o executivo espanhol, pesquisa aplicada linguística é uma parte importante do trabalho da Inbenta, que pretende se instalar no Tecnopuc e conduzir pesquisas com professores da PUC-RS.