O coordenador de TI da Salton, Flávio Giusti.

A Vinícola Salton, de Bento Gonçalves, fechou 2010 com faturamento de R$ 238 milhões e projeta crescer 15% em 2011.

Para tanto, os planos incluem investimentos no lançamento de novas linhas de produtos, incremento da atual carta de vinhos e espumantes, mas também um gás na TI: a companhia prepara a migração do ERP TotalData para o Totvs Protheus.

A Salton usa um ERP há mais de 20 anos, mas, conforme o coordenador de TI, Flávio Giusti, a ferramenta não acompanha mais as demandas da vinícola.

“Nosso foco é elaborar nossos produtos. Não fazemos TI. Precisamos de um sistema que antecipe nossas necessidades e as atenda”, afirma Giusti.

Como exemplo de demanda não atendida, o coordenador de TI cita a falta de integração com a loja virtual da Salton e de recursos de SPED e NF-e.

A Totvs inicia a implantação na vinícola gaúcha no segundo semestre deste ano. A previsão de entrada em funcionamento é 2012.

Outra ferramenta do antigo fornecedor que a Salton utiliza é um sistema de controle e gerenciamento do recebimento de uvas.

Hoje, quando um produtor chega à Salton com sua nota fiscal, a solução identifica, por código de barras, de que caminha e de que fornecedor veio o material, além de indicar dados de pesagem e qualidade das uvas, entre outros.

O sistema, porém, não será integrado ao novo ERP - conforme Giusti, a Totvs já estuda o desenvolvimento de recursos similares.

Além do novo ERP, a vinícola localizada no distrito de Tuiuti, no interior de Bento Gonçalves, também investirá na renovação do parque de servidores, para suportar a solução.

O fornecedor ainda está em avaliação.

A TI da empresa serrana se divide entre a unidade de Tuiuti, onde ficam duas pessoas – uma delas, Giusti – e São Paulo, onde fica o CPD da companhia, além de outras duas pessoas, incluindo o gerente de TI da vinícola, Ernani Madureira.

“Nosso time interno cuida da interface entre as software houses e nosso usuário”, explica Giusti.

A equipe também atua em algumas manutenções de hardware – as que envolvem dados internos -, mas todo o resto é terceirizado.

É como o coordenador afirmou parágrafos atrás: eles fazem vinho, não TI.

Muito além da TI
Além da tecnologia, os investimentos da Salton para apoiar o crescimento projetado se destinam a área de produção, como a recente instalação de uma nova linha de engarrafamento, que aumentará a capacidade produtiva entre 80% e 100%.

Além disso, a vinícola vai adquirir um equipamento para controle de temperatura dos tanques de fermentação e um decanter para a limpeza do suco da uva em processo de elaboração, além de um sistema para o armazenamento do líquido.

Já na linha de incremento do portfólio, a Salton prepara o lançamento de uma linha de vinhos finos focada nas redes de supermercado.

Para o próximo ano, a empresa estuda a renovação dos rótulos de seus produtos, além de novidades nas embalagens do suco de uva, do espumante Salton Reserva Ouro e dos vinhos da linha Salton Volpi.

Um brinde!
Em 2010, a Salton vendeu 16,3 milhões de litros na unidade de Bento Gonçalves, entre vinhos, espumantes e suco de uva – o total não inclui a litragem do Conhaque Presidente, também obra da companhia.

Para 2011, a expectativa é comercializar 18 milhões de litros.

Quanto à safra 2011, a expectativa da Salton é de receber algo em torno de 24 milhões de quilos de uvas.

Centenária
Primeira vinícola do Brasil a completar 100 anos de história, a Salton é líder na venda de espumantes no mercado brasileiro pelo quinto ano consecutivo, segundo Giusti.

Além de Bento Gonçalves, a companhia também possui unidade em Santana do Livramento, onde adquiriu 700 hectares de terra no ano passado e hoje cultiva uvas brancas e tintas das espécies Tannat, Merlot e Cabernet.