A Polar, uma consultoria ambiental de Porto Alegre, acaba de entrar no mercado de sistemas de informações geográficas (GIS, na sigla em inglês), através de uma parceria com a americana ESRI.

 
Os gaúchos, que já usavam a tecnologia da multinacional americana para elaborar projetos de viabilidade e impacto ambiental para grandes organizações como Petrobras, Eletrobras e Odebrecht, vão expandir a sua oferta de soluções.
 
“Nossa ideia é desenvolver aplicativos de geomarketing, mapeamento de infraestruturas para empresas da área de utilities, entre outros”, adianta Vinícius Seibel Hummes, diretor Administrativo da Polar.
 
De acordo com Hummes a nova área de negócios deve chegar a 20% do faturamento em dois anos e já duas negociações em curso com companhias de grande porte que devem ser fechados em breve. 
 
A companhia, que já tem seis anos de mercado, espera encerrar 2011 com uma carteira de 100 projetos, contra 72 do ano passado.
 
A Polar estruturou uma área comercial e técnica separada para a nova área, que exige profissionais com conhecimentos em TI e mapas. 
 
“Além disso, a empresa como um todo trabalha dentro dos preceitos do PMI com um sistema de gestão Business One da SAP”, comenta Hummes.
 
GIS, um mercado de poucos no Brasil 
O mercado no qual a Polar está entrando é bastante concentrado no Brasil.
 
A Imagem, distribuidora exclusiva da Esri no país – da qual a Polar atuará como canal – afirma deter 25% de market share no segmento de GIS brasileiro.
 
A companhia teve faturamento de R$ 74 milhões em 2010 e é sediada em São José dos Campos, com escritórios regionais no Rio de Janeiro, Brasília e Salvador.