Acessos de 20 mil fornecedores de 14 países, que geram um volume mensal de 60 milhões de mensagens, tudo em uma plataforma única.

É o que contabiliza o Grupo Carrefour com o uso da plataforma de intercâmbio on demand e compartilhamento de serviços e fluxos EDI da Generix Group, a EdiConnect.
 
“Com a solução, externalizamos a gestão dos fluxos B2B internacionais”, afirma Hervé Thoumyre, CEO do grupo Carrefour.

Ele explica que os resultados começam a ser contabilizados com um ano de uso da ferramenta.

E dá o histórico da situação: em 2009, o Grupo Carrefour decidiu reestruturar a ferramenta internacional de troca B2B entre as lojas e os fornecedores.

Para tanto, precisava de uma plataforma que harmonizasse as ferramentas utilizadas em operações da Ásia, América do Sul e Europa, respondendo ao mesmo tempo as necessidades da matriz francesa.

Para garantir o atendimento à demanda, o grupo francês optou por externalizar a gestão dos seus intercâmbios, e apostou no EdiConnect, operado pela Generix Group.

“A plataforma fornece um serviço que atende as exigências de tempo e tratamento dos fluxos críticos 24x 7, e é adaptada às necessidades locais”, destaca Thoumyre.

Por exemplo: segundo ele, no Carrefour ordens de preparação devem imperativamente ser tratadas dentro de prazos muito restritos para acionar as ordens de tratamento logístico em qualquer lugar do mundo.

Com o EdiConnect, esta tarefa foi acrescida de indicadores de desempenho (Service Level Agreement) estritos, que garantem segurança ao processo.

“O SaaS alivia nossas equipes com as tarefas informáticas diárias, o que permite aos técnicos se concentrar no valor agregado da função. O Retorno sobre Investimento toma em conta a totalidade dos fatores", conclui o CEO.
 
Além do Carrefour, usam soluções do Generix Group 2,1 mil empresas em todo o mundo., como PepsiCo França, Ferrero e Fnac, entre outras.

Diariamente, as plataformas de gerenciamento de supply chain da companhia tratam de mais de um milhão de mensagens associaaos à gestão de fluxos críticos, conforme o presidente da empresa, Jean Charles Deconninck.

E o SaaS é, segundo o executivo, a grande aposta da empresa.
 
 “Em 2010/2011, as aplicações de gestão em modo on demand representaram mais de € 10 milhões em nosso faturamento, o que representa cerca de 25% das atividades de desenvolvimento”, afirma o presidente.

Para este ano, o executivo projeta o crescimento desta cifra em 33%.